28 C
Joao Pessoa
terça-feira, 26 maio 2020
Início Site Página 2

Globo, Folha e Band suspendem cobertura no Palácio da Alvorada por falta de segurança

O Grupo Globo, o jornal Folha de S.Paulo, a Band e outras empresas de comunicação do país decidiram não enviar mais jornalistas para cobrir o Palácio da Alvorada por conta da falta de segurança no local. Os profissionais apontam que os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) têm feito insultos cada vez mais agressivos.

Jornalistas e apoiadores são separados por uma grade baixa e uma fita de isolamento. No entanto, os profissionais de imprensa têm relatado que o grupo bolsonarista não respeita o espaço e os seguranças da Alvorada não tomam nenhuma medida para conter os manifestantes.

Segundo o Grupo Globo, o vice-presidente de Relações Institucionais da empresa, Paulo Tonet Camargo, enviou uma carta ao ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, informando a decisão do grupo de não cobrir mais os pronunciamentos de Bolsonaro no Alvorada.

“Os jornalistas do Grupo Globo encontrarão maneiras seguras de apurar e relatar o que se passa ali, sem prejuízo do público”, diz a nota do Grupo Globo.

A Folha também entrou em contato com o ministro Augusto Heleno. De acordo com o jornal, a empresa questionou o GSI sobre as agressões verbais sofrida pelos jornalistas na segunda-feira (25), mas até o momento da publicação da reportagem não obteve retorno.

“O jornal pretende retomar a cobertura no local somente depois das garantias de segurança aos profissionais por parte do Palácio do Planalto”, diz a Folha.

Segundo o colunista Mauricio Stycer, do Uol, a Band informou que “também está retirando seus profissionais da cobertura da porta do Palácio da Alvorada a partir de amanhã (terça-feira).”

Também por conta da falta de segurança, o site Metrópoles, de Brasília, anunciou a suspensão da cobertura. “A suspensão perdurará enquanto o clima de hostilidade continuar e não houver condições para que os profissionais de imprensa possam trabalhar em segurança”, informou.

Procuradas pelo Uol, o SBT informou que ainda não tem uma posição a respeito. A Record disse que seguirá cobrindo. A CNN Brasil não respondeu.

Em nota, a ABI (Associação Brasileira de Imprensa) elogiou a decisão das empresas que suspenderam a cobertura no Alvorada. O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito Federal e a Federação Nacional dos Jornalistas cobraram ações de proteção aos profissionais por parte do GSI e da Secom.

Do Isto É

Prefeitos paraibanos e entidades defendem eleições unificadas em 2022 devido à pandemia

A Federação das Associações de Municípios da Paraíba (Famup), a Confederação Nacional de Municípios (CNM), o Movimento Mulheres Municipalistas (MMM), as associações microrregionais de municípios, prefeitos e prefeitas paraibanos, divulgaram, nesta terça-feira (26), uma carta em que defendem a não realização das eleições municipais este ano por conta da pandemia causada pelo coronavírus e que em decorrência disso, seja considerada a posição histórica do Movimento Municipalista Brasileiro no sentido da unificação dos mandatos com a realização de uma eleição geral em 2022. A carta foi elaborada durante reunião do Conselho Político da CNM realizada na segunda-feira (25).

Na Carta, os gestores defendem diversos pontos e entre eles o fato de que há prazos a serem cumpridos, em atendimento à legislação eleitoral, que obrigam o afastamento dos servidores, em especial daqueles que atuam nas áreas da saúde e assistência social, fundamentais nesse momento de crise sanitária e que tenham a expectativa de concorrer.

Outra preocupação diz respeito às pré-convenções partidárias e às convenções partidárias, previstas no calendário eleitoral para se realizarem de 20 de julho a 5 de agosto. De acordo com os gestores, por conta do isolamento social não poderão contar com o debate entre pré-candidatos e convencionais, pois, na esmagadora maioria dos municípios brasileiros, o eleitor em geral não tem como participar de teleconferências, e o voto, que possibilitará a escolha dos candidatos, não poderá contar com a participação dos maiores de 60 anos, sem que estes ponham em risco a sua saúde.

Também ficariam impossibilitados de concorrer milhares de candidatos com mais de 60 anos. Atualmente no Brasil 1.313 prefeitos em exercício têm mais de 60 anos e, destes, 1.040 têm o direito de concorrer à reeleição. No último pleito, apenas 18% dos atuais prefeitos foram reeleitos, portanto, atualmente, 82% dos prefeitos em exercício têm o direito de concorrer à reeleição. O direito à reeleição é constitucional e a Democracia assegura a todos os cidadãos o direito de votar e de ser votado.

A Carta lembra ainda que as campanhas eleitorais nos mais de cinco mil municípios com até cem mil habitantes não se realizam por meio do horário eleitoral gratuito com o uso de empresas de marketing que promovem a figura dos candidatos. No máximo, utilizam as emissoras de rádio e os comitês partidários, os encontros familiares, as reuniões comunitárias, os comícios, as reuniões em praças, nas esquinas, na rua, que agora não podem acontecer.

Os gestores entendem que o exercício do voto, por si, também é um risco, pois – mesmo que mantido o distanciamento social, o uso obrigatório da máscara e a distribuição de álcool – o local de votação, o leitor biométrico e a urna eletrônica são meios de disseminação do vírus, podendo infectar a população com a Covid-19.

Prestação de Contas – Os gestores destacaram ainda que outro ponto inviabiliza a realização das eleições em dezembro. De acordo com eles, uma eventual realização das eleições no final deste ano impedirá a prestação e análise das contas dos candidatos, bem como, a diplomação dos eleitos, além do que inviabilizará uma adequada transição de governo. Sem essa, mais tempo levará a nova gestão para tomar pé da real situação do Ente público. A situação repercutirá negativamente nas ações do novo governo e, sobretudo, na continuidade das políticas públicas de combate à pandemia.

Ainda na reunião do Conselho Político da CNM, foi debatido sobre a necessidade de o Congresso Nacional iniciar o debate com os prefeitos, tendo em vista, que esses são os principais interessados nas eleições de 2020. “Nós estaremos convocando a bancada paraibana para uma reunião no intuito de discutir esta pauta com os parlamentares com o objetivo de unir forças para que essas eleições não ocorram este ano”, frisou o presidente da Famup, George Coelho.

Para George, não existe estrutura mínima para realizar eleição esse ano. “Não dá para se pensar em uma disputa eleitoral em meio à crise sanitária que o país vem enfrentando. Acreditamos que não é viável o adiamento nem para dezembro, tendo em vista, que adiar em dois meses não surtirá um efeito positivo para a disputa. Nossa luta agora é para que as eleições sejam unificadas para que ocorra de forma justa, democrática e igualitária”, afirmou.

Governador do RJ é alvo de operação da PF sobre desvio de verbas no combate à Covid-19

A Polícia Federal (PF) cumpre mandados de busca e apreensão no Palácio das Laranjeiras, a residência oficial do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), e no escritório de advocacia onde atua a mulher dele. Também há ordens judiciais cumpridas em um imóvel no bairro do Grajaú, que seria a residência pessoal de Witzel.

A operação, nomeada Placebo, investiga indícios de desvios de recursos públicos destinados a vigorar o estado de emergência de saúde pública em decorrência do novo coronavírus.

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) autorizou 12 mandados de busca e apreensão. Esses dez são cumpridos no Rio de Janeiro e dois em São Paulo. De acordo com o STJ, o processo corre em segredo de Justiça.

Segundo a PF, investigações apontam para a existência de um esquema de corrupção envolvendo uma organização social contratada para a instalação de hospitais de campanha e servidores da cúpula da gestão do sistema de saúde do estado do Rio de Janeiro.

A gestora de hospitais de campanha, Iabas, foi um dos alvos da operação de hoje. Agentes da PF foram um escritório da empresa na capital paulista. Procurada, ela ainda não se manifestou sobre a ação.

O governo fluminense não entregou todos os hospitais de campanha prometidos. A Justiça chegou a abrir prazo para que todos os livres dos hospitais de campanha sejam em operação para atendimento imediato de pacientes do covid-19. Witzel prometeu entregar os hospitais após a ação judicial.

As investigações têm como base provas obtidas pela Polícia Civil, Ministério Público Estadual e o Ministério Público Federal. Esses elementos foram compartilhados com a PGR (Procuradoria Geral da República).

Carla Zambelli falou sobre operações um dia antes

Ontem, a deputada Carla Zambelli (PSL-SP), aliada da primeira hora do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), disse que alguns governadores estão sendo investigados pela PF e que as operações foram levadas a ocorrer.

Questionado sobre a operação hoje, Bolsonaro disse: “Parabéns à Polícia Federal. Fiquei sabendo agora pela mídia. Parabéns à Polícia Federal, tá ok?”

Gestora foi alvo de operação antes

Há cerca de duas semanas, a Iabas foi alvo da Operação Favorita. Ela é suspeita de ter corrompido agentes públicos para desviar através de recursos do contrato emergencial. Segundo o MPF, um esquema de corrupção na área da saúde iniciado na gestão do ex-governador Sérgio Cabral (MDB) continuou na administração de Witzel.

Procurado, o governo do Rio de Janeiro ainda não se manifestou sobre os mandados de busca e apreensão.

Do UOL

Caixa paga mais um lote do auxílio emergencial para 7,6 milhões nesta terça

A Caixa Econômica Federal (CEF) credita nesta terça-feira (26) novos lotes do Auxílio Emergencial, tanto da primeira parcela, para novos aprovados, quanto da segunda, para quem recebeu a anterior até 30 de abril. Ao todo, o benefício será pago a 7,6 milhões de trabalhadores, segundo o banco.

Com os pagamentos desta terça, a Caixa conclui os pagamentos da segunda parcela para os beneficiários que receberam a primeira parcela até 30 de abril e que não fazem parte do programa Bolsa Família.

Veja quem recebe nesta terça:

  1. Segunda parcela: 5 milhões trabalhadores inscritos no Cadastro Único ou que se cadastraram através do aplicativo e do site, e que receberam a primeira parcela até 30 de abril, nascidos em novembro e dezembro
  2. Segunda parcela: 1,9 milhão de trabalhadores beneficiários do Bolsa Família, cujo NIS termina em 7
  3. Primeira parcela: 700 mil trabalhadores do novo lote de aprovados do benefício, nascidos em setembro

Os trabalhadores podem consultar a situação do benefício pelo aplicativo do auxílio emergencial ou pelo site auxilio.caixa.gov.br.

Depósito em poupança digital e restrição para saque e transferências

Para os beneficiários que vão receber a segunda segunda parcela e não fazem parte do Bolsa Família, os pagamentos trazem mais restrições: todos vão receber por meio de conta poupança digital da Caixa – mesmo quem recebeu a primeira parcela em outra conta.

Além disso, a poupança digital não vai permitir transferências inicialmente – apenas pagamento de contas, de boletos e compras por meio do cartão de débito virtual. Transferências para outras contas e saques só serão liberados a partir de 30 de maio (veja o calendário ao final da reportagem).

Primeira parcela para novos aprovados

A primeira parcela para esse novo grupo será creditada na conta escolhida pelo beneficiário, da forma como receberam os primeiros beneficiários: nas contas da Caixa, na Poupança Social Digital ou em contas de outros bancos. Esses beneficiários também poderão fazer o saque em espécie do auxílio na data da liberação.

Veja como ficou o calendário de pagamento da 1ª parcela para novos aprovados:

  • 19 de maio (terça): nascidos em janeiro
  • 20 de maio (quarta): nascidos em fevereiro
  • 21 de maio (quinta): nascidos em março
  • 22 de maio (sexta): nascidos em abril
  • 23 de maio (sábado): nascidos em maio, junho ou julho
  • 25 de maio (segunda): nascidos em agosto
  • 26 de maio (terça): nascidos em setembro
  • 27 de maio (quarta): nascidos em outubro
  • 28 de maio (quinta): nascidos em novembro
  • 29 de maio (sexta): nascidos em dezembro

Calendário da 2ª parcela

O calendário do pagamento da 2ª parcela do Auxílio Emergencial começou na segunda-feira (18) e seguirá até 13 de junho. O calendário da terceira parcela, que estava prevista para maio, continua sem definição.

O calendário da segunda parcela vale apenas para quem recebeu a primeira parcela até 30 de abril. O governo não informou quando vai pagar a segunda parcela para quem receber a primeira depois desta data.

São 3 calendários:

  1. um para recebimento em poupança social
  2. um para saque em espécie para beneficiários do Bolsa Família
  3. um para saque em espécie para poupança social e transferência de recursos

VEJA OS CALENDÁRIOS

1. Calendário para depósito em poupança social

 — Foto: Economia G1

2. Calendário para pagamento aos beneficiários do Bolsa Família

 — Foto: Economia G1

3. Calendário para saque e transferência da poupança social

Auxílio Emergencial segunda parcela - saque e transferência da poupança social — Foto: Economia G1

Auxílio Emergencial segunda parcela – saque e transferência da poupança social

Do G1

Ministério da Justiça nomeia novo superintendente da Polícia Federal na Paraíba

O delegado Gustavo Paulo Leite é o novo superintendente regional da Polícia Federal na Paraíba. A nomeação foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) dessa segunda-feira (25).

Gustavo Leite estava ocupando o cargo interinamente desde a exoneração do delegado André Viana, que foi nomeado para a Diretoria da Polícia Federal em Brasília, no último dia 11 de maio.

Outras mudanças foram feitas na Superintendência do Estado: Fábio Maia de Faria foi nomeado para o cargo de delegado regional executivo, Vitor Moraes Soares ficará responsável pela Delegacia Regional de Investigação e Combate ao Crime Organizado (DRCOR). O delegado Wilemar Rodrigues Junior foi nomeado corregedor regional. A Delegacia da Polícia Federal em Patos será chefiada por André Guedes Beltrão e a de Campina Grande pelo delegado Felipe Maciel.

Prefeitura de Patos é alvo de inquérito do MPF por suspeitas em convênios

(Foto: Leonardo Silva/Jornal da Paraíba)

A Prefeitura de Patos, no sertão da Paraíba, é alvo de inquérito civil do Ministério Público Federal (MPF-PB), por conta de supostas irregularidades na execução do convênio estabelecido entre o Município e o Ministério dos Esportes para construção de um complexo esportivo orçado em R$ 2,9 milhões de reais, no ano de 2013. A portaria que instaura a investigação está publicada na edição da segunda-feira (25) do Diário Eletrônico do órgão.

O convênio trata-se de benefício para obra da Vila Olímpica, onde a cidade de Patos recebeu do Governo Federal cerca de R$ 1,2 milhão de acordo com registros do Portal de Transferência. Com relação aos recursos públicos desembolsados pelo Ministério dos Esportes, uma média 48,78% do valor liberado foi investido na construção da vila.

Os complexos esportivos, como o projeto Vila Olímpica instalado na cidade de Patos, são ações sociais que visão a inclusão por meio do oferecimento de atividades culturais e esportivas abertas para os públicos de todas as idades. A obra teve início na capital em 26 de novembro de 2013 e segue em obra por quase sete anos, com previsão de término para dezembro de 2020.

O inquérito instaurado pelo MPF exige o registro e detalhamento do convênio estabelecido entre o município de Patos e o Ministério dos Esportes no Sistema Único da 5ª Câmara de Coordenação e Revisão para análise dos documentos referentes ao caso de investigação para apurar e identificar as irregularidades nas transferências.

MPPB investiga Hospital Milagres por possíveis irregularidades envolvendo testes de Covid-19

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) instaurou inquérito civil, na tarde da segunda-feira (25), para apurar possíveis irregularidades na comercialização de testes rápidos de Covid-19 pelo Hospital dos Milagres, localizado em João Pessoa. A portaria que instaura a ação está assinada pelo Promotor de Justiça e diretor-geral do MP-Procon, Francisco Glauberto Bezerra.

Conforme o MPPB, uma notícia de Fato havia sido instaurada a partir do relatório de fiscalização lavrado em 16 de abril, pelos agentes de fiscalização deste órgão, o qual aponta que em consulta ao Instagram identificou que a empresa Hospital dos Milagres estaria realizando exames em domicílio para teste do Covid-19.

Reconhecendo a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre o aumento da testagem, o MPPB pondera sobre “o reconhecimento das limitações técnicas desse tipo de teste”. Além disso, o promotor também cita notas técnicas e resoluções da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), como a que liberou, temporariamente, a comercialização de testes rápidos de Covid-19 em farmácias.

O MPPB então resolveu: “instaurar o presente inquérito civil, na forma da Legislação Vigente e com arrimo nas atribuições constitucionais deste Parquet, com vistas a apurar a existência de possíveis irregularidades pela empresa Hospital dos Milagres na comercialização de testes rápidos para COVID-19, e, ao final, propor a medida administrativa ou judicial mais adequada ao caso”.

Os Conselhos Regionais de Medicina e de Farmácia, além da Vigilância Sanitária de João Pessoa, foram comunicadas sobre a instauração do inquérito civil, e lhes foram solicitadas informações sobre quais medidas serão adotadas no âmbito de suas atribuições. As entidades terão o prazo de 10 dias para responder o MPPB.

O mesmo prazo, 10 dias, também foi dado ao Hospital dos Milagres, para se manifestar nos autos sobre o caso.

Confira documento

Donos de lojas flagradas desobedecendo decreto são presos, na PB

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) e as polícias Civil e Militar voltaram a realizar, nesta segunda-feira (25), uma fiscalização no município de Santana dos Garrotes, no Sertão da Paraíba, para verificar o cumprimento das medidas impostas por decretos estaduais e municipal que restringiram o funcionamento do comércio para conter o contágio do novo coronavírus e evitar o colapso nos serviços de saúde.

Quatro comerciantes, proprietários de lojas que não se enquadram como atividades e serviços essenciais, foram presos em flagrante, por descumprirem as medidas de isolamento social.

Na última sexta-feira (23/05), uma força-tarefa integrada pelo MPPB, polícias e Secretaria Municipal de Saúde já havia realizado uma operação no comércio da cidade, que resultou na interdição de aproximadamente 30 estabelecimentos que estavam funcionando normalmente, embora não se enquadrassem como “serviço essencial”. Apesar disso, segundo informações que aportaram na Promotoria de Piancó, a maioria dos estabelecimentos voltou a funcionar no dia seguinte (sábado, dia de feira na cidade) e nesta segunda-feira, pela manhã.

Agentes descaracterizados a paisana foram ao local e confirmaram a abertura do comércio não essencial. Quatro proprietários de lojas de eletrônicos e eletrodomésticos, celulares, roupas, dentre outros, foram presos em flagrante e conduzidos à delegacia de Itaporanga. Eles vão responder pelo crime de desobediência, além dos processos em razão da operação realizada na sexta-feira.

Segundo o promotor de Justiça José Leonardo Clementino Pinto, o prefeito municipal será acionado para que fiscalize o comércio local de forma eficiente e impeça o funcionamento dos estabelecimentos, sob pena de ser responsabilizado por improbidade administrativa em face da omissão de medidas de saúde e sanitárias para evitar a propagação da covid-19, no município.

Quatro guarnições da polícia – sendo três da Polícia Militar e uma, da Polícia Civil – atuaram na fiscalização desta segunda-feira. Além do promotor de Justiça, José Leonardo, participaram da operação o delegado seccional, Carlos Seabra, e o Coronel Douglas, da PM.

Pedra Branca e outros municípios

O MPPB e as polícias Civil e Militar também fiscalizaram, na sexta-feira (23/05), o comércio de Pedra Lavrada, cidade vizinha a Santana dos Garrotes. Lá, dois bares foram fechados e seus proprietários, presos em flagrante por descumprimento dos decretos estaduais e municipal que impuseram medidas restritivas ao funcionamento do comércio e determinaram o isolamento social, em razão da pandemia da covid-19.

De acordo com o promotor de Justiça, sete municípios integram a comarca de Itaporanga e oito, a comarca de Piancó. Todos eles estão sendo fiscalizados, desde o início de abril. Já foram interditadas lojas no centro de Itaporanga, fechados estabelecimentos comerciais em Diamante (com duas prisões em flagrante), Serra Grande, Boa Ventura e notificados donos de bares e pequenos comércios na zona rural de São José de Caiana, divisa com o município de Bonito de Santa Fé.

Além das fiscalizações, também estão sendo realizadas reuniões com as secretarias municipais de Saúde para intensificar as ações de combate à covid-19. O promotor destacou a importância da colaboração da população nesse trabalho. “Contamos com a intensificação do trabalho dos municípios e com o suporte da população para conter e diminuir ao máximo o avanço dos casos de covid-19 na região”, disse.

Fotos da fiscalização feita em Santana dos Garrotes e Pedra Lavrada (Crédido: PM e PC/PB)

Covid-19: João diz que extensão do isolamento depende da população e não descarta lockdown

O governador João Azevêdo (Cidadania) foi direto ao tratar sobre a extensão do decreto que prevê o isolamento social no estado ou a flexibilização da norma: tudo depende do comportamento da população. Se o índice de isolamento social estiver baixo, os leitos de UTI sobrecarregados e os paraibanos não estiverem demonstrando compreensão do atual momento da pandemia, o resultado não poderá ser outro, senão a prorrogação da quarentena. O gestor estadual comentou sobre esse e outros assuntos inerentes ao combate à Covid-19 durante uma live realizada na noite desta segunda-feira (25).

+ (ASSISTA) Lockdown, decreto, UTIs e investimentos: veja como foi a live de João sobre ações contra Covid-19

“Estamos trabalhando num plano, e ele precisa da sociedade, a definição se vai se estender, em que grau vai ser essa extensão, que atividades poderão voltar a funcionar, quais as atividades serão mantidas ou fechadas, será função desses parâmetros. É o isolamento social, os leitos de UTI, é observar que a população está entendendo e criar um grau de escalas diferentes para cidades e regiões”, afirmou o governador.

Com relação ao lockdown, João disse que o intuito não é reabrir nem fechar geral, o Governo do Estado está agindo de maneira cautelar, baseado em evidências científicas.

+ Paraíba passa de 8 mil casos confirmados e tem quase 280 mortes por Covid-19

“Não há interesse nem em reabrir nem em fazer lockdown, temos que agir de acordo com as informações, números e dados que temos disponível. Se age com planejamento, não com emoção ou de forma irresponsável de se tomar as decisões. Tomamos decisões baseadas nas informações e planejamento que temos”, declarou João. Antes de emendar, citando que não descarta o ‘fechamento total’ de alguma região paraibana: “se houver necessidade em algum município de estabelecer lockdown, iremos decretar sem o menor problema”.

13º salário dos servidores

Sem garantir neste momento, mas destacando o empenho da gestão em honrar com o compromisso, como vem sendo nos últimos 17 meses junto ao funcionalismo público e praticamente assegurando o benefício. Esta é a atual situação do pagamento do 13º salário dos servidores estaduais, conforme João, em tom prudente com as contas do Estado.

“Eu vou saber no próximo mês. Se houver sanção desse projeto [que assegura incentivos fiscais aos Estados], faremos o possível para honrar esse compromisso, só se não tiver condições efetivas é que não cumpriremos. Mas estamos trabalhando, fazendo reservas desde janeiro, para ter esses valores. Vamos anunciar na data que for possível”, afirmou o governador.

Brasil ultrapassa 23 mil mortes por coronavírus e atinge 374.898 casos

O Ministério da Saúde registrou hoje 23.473 mortes em decorrência do novo coronavírus — 807 delas computadas nas últimas 24 horas. O boletim diário da pasta, divulgado nesta tarde, aponta um total de 374.898 infectados pela doença no país, sendo 11.687 casos confirmados entre ontem e hoje.

Ainda segundo o ministério, 197.592 casos seguem em acompanhamento. Cerca de 153.833 pacientes já se recuperaram da doença.

Semana negativa

Na semana passada, o Brasil atingiu marcos negativos com o aumento de notificações de covid. Na terça-feira, o país registrou pela primeira vez mais de mil mortes pelo novo coronavírus em intervalo de 24 horas.

Em menos de um mês, o país passou de 100 mil diagnósticos para mais de 300 mil infectados pela doença, com aceleração do aumento de casos confirmados nas últimas duas semanas: só entre 14/05 e 21/05, foram mais de 100 mil novos casos registrados pelo Ministério da Saúde.

Um em cada três pacientes graves sobrevive

Somente um em cada três pacientes graves de covid-19 que são entubados nas UTIs brasileiras se recupera e consegue voltar para casa, aponta um estudo da Amib (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) e do Epimed — uma ferramenta de análise de dados e desempenho hospitalar.

A mortalidade dos pacientes em UTIs é de 66%, número muito acima de casos em outros países. De acordo com especialistas, o percentual reflete as precariedades do sistema de saúde brasileiro e, eventualmente, o uso indiscriminado de medicamentos sem benefícios comprovados cientificamente, como a cloroquina.

Casos não necessariamente ocorreram no último dia

Os diagnósticos e óbitos confirmados pelo governo entre um dia e outro não necessariamente ocorreram de ontem para hoje. O Ministério da Saúde explica que há atrasos de até dois meses nos registros feitos pelas secretarias, provocados pela fila de testes, e que as confirmações podem refletir ocorrências desde o início da pandemia.

Do Uol.

 

 

- Publicidade -

Últimas

- Publicidade -