Publicidade
Política

Por que o Nordeste rejeita Bolsonaro? Leia artigo de Ricardo Coutinho publicado no Estadão

RC preside atualmente a Fundação João Mangabeira, entidade vinculada ao PSB

Artigo de autoria do ex-governador Ricardo Coutinho, atual presidente da Fundação João Mangabeira – braço nacional do Partido Socialista Brasileiro (PSB), foi publicado na versão online do Jornal O Estado de S.Paulo (Estadão). No texto, o socialista aborda a alta rejeição do presidente Jair Bolsonaro (PSL) no Nordeste, região que conferiu uma grande derrota ao pesselista nas eleições do ano passado.

- Continua depois da publicidade -

Clique aqui ou leia abaixo na íntegra o texto de Ricardo Coutinho:

Por que o Nordeste rejeita Bolsonaro?

O anúncio da primeira viagem do presidente Jair Bolsonaro ao Nordeste, nesta sexta-feira, provocou uma campanha de internautas da região contrários à visita. O hashtag #Nordeste Cancela Bolsonaro viralizou rapidamente nas redes sociais. Não sem motivo; o Nordeste foi a única região do país onde Bolsonaro perdeu as eleições: ele conquistou apenas 30,3% dos votos, contra 69,7% dados ao candidato Fernando Haddad (PT).

Muitos poderiam interpretar essa rejeição à visita presidencial como uma atitude antidemocrática; afinal, Bolsonaro chegou ao Planalto de maneira legítima, referendado pela maioria da população em um pleito cuja lisura não foi contestada, embora a campanha tenha sido manchada por ações antidemocráticas como a disseminação de fakenews pelos bolsonaristas.

Só que a democracia não é apenas o consenso da maioria; ela implica também o direito da minoria de se opor, dentro dos limites da lei, ao projeto vitorioso nas urnas. Num Estado Democrático de Direito, a minoria deve ter a liberdade de se expressar para tentar convencer o eleitorado de seu programa, possibilitando, assim, a alternância de poder.

Mas por que a ‘hostilidade’ dos nordestinos a Bolsonaro? Porque já é evidente que as medidas que seu governo vem adotando representarão um retrocesso nas conquistas recentes da região.

Nas últimas décadas, o Nordeste – antes esquecido por sucessivos governos – experimentou um processo de desenvolvimento econômico com inclusão social. Em 2002, mais de 21,4 milhões de nordestinos viviam em situação de pobreza; em 2012, esse número caiu para 9,6 milhões, segundo o IBGE.

As ações federais na região geraram trabalho: no mesmo período, o número de empregos formais dos nordestinos cresceu de cinco milhões para quase nove milhões. E entre 2001 e 2012 o nordestino teve o maior ganho de renda de todas as regiões do país, fazendo com que a participação do Nordeste na base da pirâmide social caísse de 66% para 45%.

Na verdade, não é apropriado falar em “hostilidade” do Nordeste a Bolsonaro. Ao contrário, foi o presidente quem sempre afrontou os nordestinos. Ainda como candidato, ele cansou de repetir clichês preconceituosos contra os habitantes da região.

Dias depois de ter tomado posse, Bolsonaro declarou que esperava que os governadores do Nordeste não viessem lhe pedir ajuda: “Para estes aí, o presidente deles está em Curitiba”, disse, em referência ao ex-presidente Lula.

O povo brasileiro que nasceu no Nordeste não aceita quando um ministro, tendo a chancela do próprio Bolsonaro, abre a boca para dizer a bobagem de que no Nordeste não devia haver cursos de filosofia e sociologia.

O povo brasileiro no Nordeste reage a um presidente que entra no sexto mês de governo e não tem um investimento sequer para uma região historicamente discriminada, mas que tem um potencial extraordinário em varias áreas, entre as quais, geração de energia limpa e turismo, e que deu um grande salto na qualidade de seus sistemas de governança.

E essa posição que se expressou nas eleições de uma forma uniforme não pode ser vista como uma postura coletiva advinda da “dependência do povo a programas assistenciais”. Santa ignorância! Se isso fosse verdade, essa população seria a mais vulnerável ao discurso e conteúdo simplista e rasteiro da mensagem eleitoral bolsonarista de violência e criminalização dos conceitos de tudo o que esteja dentro do “politicamente correto”.

A maioria do povo nordestino, portanto, se une a amplos setores democráticos na luta contra um governo que se mostrou inepto, intolerante e abertamente hostil às conquistas e à inclusão social e que, acima de tudo, tem flertado perigosamente com o autoritarismo.

*Ricardo Coutinho, ex-governador da Paraíba (2011-2018), atual presidente da Fundação João Mangabeira, do Partido Socialista Brasileiro (PSB).

Comente

Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
Facebook, Twitter e Youtube.

Interaja com o Paraíba Já:
E-mail: [email protected] | WhatsApp: (83) 98176 - 1651

Redação Paraíba Já

Fundado em maio de 2010, o Paraíba Já é um portal de notícias sediado em João Pessoa (PB), que tem compromisso com a verdade, fazendo um jornalismo de qualidade e relevância social.

Artigos relacionados

Um Comentário

  1. Falou o político mais sujo que pau de galinheiro, aquele que é SUSPEITO de fraude, desvio de verbas entre tantas outras coisas. Aquele que causou um retrocesso a UEPB, aquele que instituiu o NEO-CORONELISMO , e que é apontado como o cabeça do MAIOR ESQUEMA DE CORRUPÇÃO DS HISTÓRIA PARAIBANA!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar