Operação contra Bolsonaro é resultado de delação de Mauro Cid

Mandados foram autorizados pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), dentro do inquérito das milícias digitais

Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

A operação da Polícia Federal (PF) que mirou bolsonaristas nesta quinta-feira (8) teve como base a delação de Mauro Cid, segundo fontes da PF.

Entre os alvos estariam o próprio Bolsonaro, o paraibano Tércio Arnaud, assessor do ex-presidente, além do presidente nacional do PL, Valdemar Costa Netos, ministros e outros assessores do ex-presidente.

Os mandados foram autorizados pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), dentro do inquérito das milícias digitais.

De acordo com investigadores, “boa parte” das acusações que fundamentarem o cumprimento de prisões, buscas e apreensões tiveram confirmação na colaboração premiada de Mauro Cid.

Integrantes da PF afirmam que a delação vem produzindo resultados há alguns meses. A nova operação intitulada Tempus Vetitaris, que na tradução literal significa Hora da Verdade, seria o maior resultado obtido até agora.

“E alguns diziam que a delação era ruim”, disse à CNN uma fonte da Polícia Federal responsável pela operação.

Delações premiadas são utilizadas como meio de prova, por diversas investigações. O instrumento foi popularizado pela operação Lava Jato.

A CNN está procurando a defesa dos nomes que são investigados pela operação da Polícia Federal.

Do CNN