Novos detalhes revelam esquema de lavagem de dinheiro na Braiscompany

MPF apresenta denúncia contra o casal Antônio Neto e Fabrícia Farias; um doleiro e mais quatro pessoas

Novos detalhes revelam esquema de lavagem de dinheiro na Braiscompany
Antônio Neto Ais é réu por crimes contra o sistema financeiro e alvo de mandado de prisão - Foto: Reprodução/Instagram

O Ministério Público Federal (MPF) aprofunda as investigações sobre o Caso Braiscompany e apresenta nova denúncia contra a empresa, desta vez focando em crimes de lavagem de dinheiro. O documento, que acusa o casal-proprietário, um doleiro e mais quatro investigados, revela detalhes inéditos sobre o esquema milionário.

A denúncia aponta que, durante o “desmoronamento” da Braiscompany, Antônio Neto e Fabrícia Farias, donos da empresa, realizaram diversas operações financeiras de grande porte com características típicas de lavagem de dinheiro. O objetivo era ocultar a origem dos recursos e proteger bens do casal.

Segundo o MPF, o casal recorreu a um doleiro, Joel Ferreira de Souza, para lavar o dinheiro. Joel, atuando como peça fundamental do esquema, realizava transações em criptoativos, convertendo dinheiro em espécie em criptomoedas e vice-versa.

Relação de longa data

A investigação revela que a relação entre Antônio Neto e Joel Ferreira de Souza data de 2018, antes mesmo da criação da Braiscompany. Essa parceria perdurou até o fim da empresa, em fevereiro de 2023.

Joel, segundo a denúncia, era responsável por um esquema sofisticado que envolvia diversas empresas para movimentar os valores e ocultar a origem do dinheiro. Ele atendia clientes em todo o país e no exterior, incluindo a Braiscompany.

“Joel Ferreira de Souza constituiu, organizou, geriu e administrou uma sofisticada e complexa estrutura profissional para a prática de atos de lavagem de capitais”, afirma o documento do MPF.

Valor bilionário

O MPF conseguiu rastrear ao menos R$ 2,6 bilhões que teriam passado pelas empresas de Joel. Uma das transações entre o doleiro e a Braiscompany movimentou R$ 5 milhões provenientes da venda de uma aeronave do casal Neto e Farias.

Acusados e punições

A denúncia inclui os donos da Braiscompany, Antônio Neto e Fabrícia Farias, além de Victor Augusto Veronez (filho de Joel), Mizael Moreira Silva, Clélio Cabral do Ó e Gesana Rayane Silva. Os últimos três já figuravam em outras ações penais.

Atualmente, Antônio Neto está preso preventivamente na Argentina, enquanto Fabrícia Farias encontra-se no mesmo país, mas em liberdade provisória. Em uma ação anterior, o casal foi condenado a 149 anos de prisão, junto com outros réus. A decisão ainda cabe recurso.

Novas revelações e repercussão

A nova denúncia do MPF traz à tona detalhes inéditos sobre o esquema de lavagem de dinheiro na Braiscompany, reforçando a gravidade das acusações contra os envolvidos. O caso segue em investigação e a expectativa é que novas informações sejam reveladas nos próximos dias.