MP vai realizar seminário sobre trabalho prisional, nesta sexta

O Ministério Público da Paraíba realiza, nesta sexta-feira (14), o seminário “Trabalho Prisional: Um Fator de Humanização e Ressocialização dos Apenados e Egressos”. O evento, promovido pela Promotoria da Tutela Coletiva do Sistema Prisional e Direitos Humanos, com apoio do Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional (Ceaf), ocorrerá no Auditório Edgardo Ferreira Soares, da Procuradoria-Geral de Justiça.

O seminário é destinado a Promotores de Justiça, Magistrados e Defensores Públicos com atuação na área de Execução Penal, agentes penitenciários; diretores de Unidades Prisionais; pesquisadores das áreas de Direito, Psicologia, Serviço Social, dentre outras áreas afins; empresas parceiras; instituições conveniadas; pessoas em regime aberto, semiaberto, livramento condicional e egressos.

A abertura do evento ocorrerá a partir das 9h com o procurador-geral de Justiça, Bertrand de Araújo Asfora. Em seguida, o promotor de Justiça da Tutela Coletiva do Sistema Prisional e Direitos Humanos, Ricardo José de Medeiros e Silva, vai mediar uma mesa redonda sobre “O aumento da violência através da reincidência: o papel das instituições e da sociedade na quebra deste ciclo”. A mesa terá a participação de representantes do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), da Secretaria de Estado da Administração Penitenciária (Seap), do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Prisional e Fiscalização do Sistema Carcerário do Tribunal de Justiça da Paraíba, da  Defensoria-Geral do Estado da Paraíba e  reeducando do regime semiaberto.

No período da tarde, a partir das 14h, a programação inicia com apresentação da cartilha “Projeto Trabalho Humaniza – Cartilha do Trabalho Prisional” pelo promotor de Justiça Ricardo José de Medeiros e Silva. Logo após será formada mesa redonda, mediada pela coordenadora de Ressocialização da Secretaria de Administração Penitenciária, Zioelma Albuquerque Maia, que vai abordar o tema: “Inserção da mão de obra prisional e egressa em instituições públicas e privadas”, com a participação representantes de empresas parceiras e instituições conveniadas, relatando suas experiências com mão de obra prisional.

Na ocasião, haverá stands com vendas de artesanatos confeccionados pelos reeducandos do sistema prisional de João Pessoa.

Comente