Mortes por coronavírus no mundo passam de 600 mil, neste domingo

OMS afirmou que quase 260 mil novas infecções foram registradas no sábado (18), um recorde pelo segundo dia seguido

As mortes provocadas pelo novo coronavírus passaram de 600 mil no mundo neste domingo (19), de acordo com a universidade americana Johns Hopkins. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que quase 260 mil novas infecções foram registradas no sábado (18), um recorde pelo segundo dia seguido.

O número – 259,848 casos em 24 horas – fez com que o planeta superasse a marca de 14 milhões de infectados, segundo a contagem da universidade. Essa foi a 1ª vez, de acordo com a OMS, que mais de um quarto de milhão de infecções são registradas em apenas um dia desde o início da pandemia.

A OMS já havia registrado um novo recorde diário na sexta-feira (17), ao incluir nos balanços mais de 237 mil novas ocorrências em um período de 24 horas.

Os Estados Unidos são o país mais afetado pela pandemia, com mais de 3,7 milhões de infecções e mais de 140 mil mortos. Em seguida vem o Brasil, com mais de 2 milhões de infectados e 78,8 mil óbitos.

Em número de infecções, depois dos EUA e do Brasil, estão: Índia (1,07 milhão), Rússia (770,3 mil), África do Sul (350,8 mil), Peru (349,5 mil), México (338,9 mil), Chile (328,9 mil), Reino Unido (295,6 mil) e Irã (271,6 mil).

Em número de mortes, também depois dos EUA e do Brasil, estão: Reino Unido (45,3 mil), México (38,8 mil), Itália (35 mil), França (30,1 mil), Espanha (28,4 mil), Índia (26,8 mil), Irã (13,9 mil) e Peru (12,9 mil).

Contaminações em alta

Neste domingo, a Índia registrou um recorde diário de novos casos, com 38.902 novas ocorrências e 543 mortes confirmadas em 24 horas. Especialistas acreditam que o país ainda está longe de chegar ao pico da epidemia, à medida que os contágios avançam pelas áreas rurais.

Hong Kong também registrou um recorde de novos casos, ao somar mais de 100 infecções em 24 horas. A líder da região semiautônoma, Carrie Lam, disse que a Covid-19 está fora de controle na cidade e ordenou novas medidas de distanciamento social. A região foi uma das primeiras a serem atingidas pelo vírus depois que ele surgiu na China, mas tinha conseguido conter as transmissões locais no fim de junho.

Do G1.

Comente