Mais de 4,2 mil candidatos comparecem na primeira fase do concurso da DPE-PB

Provas objetivas foram realizadas em seis instituições de ensino de João Pessoa, no período da manhã, sob a organização da Fundação Carlos Chagas

No domingo (1º), 4.259 candidatos se submeteram a primeira fase do concurso para ingresso na carreira de membro da Defensoria Pública do Estado da Paraíba (DPE-PB). As provas objetivas foram realizadas em seis instituições de ensino de João Pessoa, no período da manhã, sob a organização da Fundação Carlos Chagas. O gabarito, de acordo com o cronograma, será divulgado nesta segunda-feira (2), no site da FCC.

O Unipê concentrou o maior número de candidatos, entre os centros de aplicação. Foi lá que a ex-estagiária da Defensoria Pública do Ceará, Larissa Falcão, de 25 anos, fez a prova. Focada nos concursos das Defensorias Públicas estaduais e da União, ela conta que tem o sonho de se tornar defensora pública e que a paixão pela instituição começou quando estagiou na DPCE.

“Quando você entra na Defensoria Pública você não quer mais sair. Estagiei durante os últimos dois anos da graduação e me apaixonei pela função social da Defensoria. Agora quero voltar como defensora pública. É o meu sonho”, disse Larissa, acrescentando que o concurso da Paraíba está entre as suas prioridades, já que seu irmão mora em João Pessoa.

O concurso atraiu candidatos de todas as regiões do país. Do Paraná, Natália Guimarães cruzou mais de 2,5 mil quilômetros para fazer a prova. A primeira vez em João Pessoa deixou uma excelente impressão, motivando-a ainda mais a lutar pela vaga. “A cidade é linda, a comida é maravilhosa, quero muito passar aqui”, comentou.

Natália também é ex-estagiária da Defensoria Pública, mas do estado de São Paulo, e também decidiu priorizar a carreira de defensora pública. “Eu acho que o trabalho do órgão incrível: o trabalho que olha para as pessoas que ninguém mais olha. Então isso fez muito sentido pra mim quando estagiei na Defensoria, descobri que era por isso que havia me formado em Direito. Resolvi prestar concurso porque faz todo sentido pra mim, lutar pelas pessoas que ninguém mais olha”, ressaltou.

De acordo com a presidente da Comissão Organizadora do concurso, a subdefensora pública-geral da Paraíba, Madalena Abrantes, as provas transcorreram dentro da normalidade, no horário estabelecido e com abstenção dentro do esperado. “Estamos muito felizes com o interesse das pessoas pela nossa instituição. Temos a certeza de que os candidatos aprovados neste concurso farão a diferença na Defensoria Pública. Vamos esperar o resultado das provas e aguardar as próximas etapas”, disse Madalena.

2ª fase

As provas da segunda fase vão acontecer no dia 3 de julho. Passam para a segunda fase do concurso 235 candidatos, sendo 170 da ampla concorrência, 17 pessoas com deficiência, 40 da população negra, 4 indígenas, 2 quilombolas e 2 de comunidades tradicionais.