Justiça bloqueia bens da BraisCompany e dos donos da empresa, após pedido do MP

Sócios tiveram a prisão temporária ordenada pela Justiça Federal devido a suspeitas de crimes contra o sistema financeiro, mas encontram-se foragidos

Caso Braiscompany: Ministério Público de São Paulo entra na investigação
Fabrícia Campos e Antônio Neto Ais - Foto: Internet

O juiz Carlos Eduardo Leite Lisboa, da 11ª Vara Cível de João Pessoa, decretou na tarde de sexta-feira (17) o bloqueio de verbas e veículos pertencentes à Braiscompany e aos seus proprietários, Antônio Inácio da Silva Neto e Fabrícia Campos. Ambos tiveram a prisão temporária ordenada pela Justiça Federal devido a suspeitas de crimes contra o sistema financeiro, mas encontram-se foragidos.

De acordo com o magistrado, a Braiscompany recebeu quantias em dinheiro de clientes com a promessa de rendimentos, mas o negócio acabou por fracassar.

“A empresa Braiscompany, como muitas outras que emergiram das profundezas do mercado de capitais nos últimos anos, foi envolvida em escândalos policialescos por possível prática do pichardismo, ou, na expressão mais comum, de pirâmide financeira”, escreveu.

Há fortes indícios de que os réus firmaram contratos com diversos clientes, mas fugiram sem ressarcir os mesmos, deixando de cumprir com as cláusulas estabelecidas nos acordos entre as partes. Este esquema fraudulento em forma de “pirâmide” foi divulgado em sites eletrônicos.