João e mais 21 governadores pedem pacto com poderes e aceleração da vacinação

Em comunicado, eles também defenderam a implementação de medidas como isolamento e uso de máscaras e citaram a dificuldade de abertura de novos leitos

O governador da Paraíba, João Azevêdo (Cidadania) e mais 21 governadores de diversos estados divulgaram um comunicado nesta quarta-feira (10) em que defendem um pacto nacional entre os três poderes da República e entre União, estados e municípios contra a pandemia de Covid-19. Os governadores também reivindicaram a aceleração da vacinação no país.

Os governadores lembraram que conversaram sobre o pacto com os presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), em fevereiro. Agora, afirmam que a proposta se tornou ainda mais importante, diante do agravamento da pandemia em todo o país.

“Em reunião realizada no dia 12 de fevereiro, os governadores debateram com os presidentes do Senado e da Câmara a proposta de uma ampla pactuação dos três Poderes e das três esferas da Federação, visando ao reforço da luta contra a pandemia do coronavírus. Reafirmamos tal proposição, que se tornou ainda mais emergencial pelo agravamento da situação sanitária”, afirmaram os governadores.

Eles também defenderam a implementação das medidas de isolamento e uso de máscara para conter o coronavírus. Os governadores afirmaram que há limites para expansão de leitos, por isso, as ações preventivas devem ser adotadas.

“Há limites objetivos à expansão de leitos hospitalares, tendo em vista escassez de insumos e de recursos humanos. Dessa forma, as medidas preventivas protegem as famílias, salvam vidas e asseguram viabilidade aos sistemas hospitalares. Medidas como o uso de máscaras e desestímulo a aglomerações tem sido usadas com sucesso na imensa maioria dos países, de todos os continentes”, diz o comunicado.

Assinaturas

Veja os governadores que assinaram o comunicado:

  • o governador do Acre, Gladson Cameli (PP)
  • governador do Alagoas, Renan Filho (MDB);
  • governador do Amapá, Waldez Góes (PDT);
  • governador da Bahia, Rui Costa (PT);
  • governador do Ceará, Camilo Santana (PT);
  • governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB);
  • governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB);
  • governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM);
  • governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB);
  • governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM);
  • governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo);
  • governador do Pará, Helder Barbalho (MDB);
  • governador da Paraíba, João Azevedo (Cidadania);
  • governador do Paraná, Ratinho Júnior (PSD);
  • governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB);
  • governador do Piauí, Wellington Dias (PT);
  • governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT);
  • governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB);
  • governador de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL)
  • governador de São Paulo, João Doria (PSDB);
  • governador de Sergipe, Belivaldo Chagas (PSD).
  • o governador de Tocantins, Mauro Carlesse (DEM)

Com informações do G1