Imprensa internacional repercute anulação de condenações de Lula na Lava Jato

A anulação de todas as condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela Justiça Federal no Paraná relacionadas às investigações da Operação Lava Jato, nesta segunda-feira (8) está sendo noticiada com destaque em órgãos de imprensa no exterior.

Em geral, as notas destacam que a decisão permite a Lula voltar a se candidatar, uma vez que ele recupera seus direitos políticos após a decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal.

Veja abaixo alguns dos veículos que noticiaram a anulação em outros países.

“Le Monde” – França

Anulação da condenação de Lula foi noticiada pelo francês'Le Monde' — Foto: Reprodução/Le Monde

Anulação da condenação de Lula foi noticiada pelo francês ‘Le Monde’ — Foto: Reprodução/Le Monde

O site do jornal francês anuncia: “No Brasil, um juiz da Corte Suprema anula as condenações de Lula” e diz que a decisão tem o “efeito de uma bomba” no país.

A matéria afirma ainda que Lula poderá concorrer contra Bolsonaro nas eleições presidenciais de 2022.

“El País” – Espanha

Site do espanhol'El País' noticiou anulação de condenações de Lula como urgente — Foto: Reprodução/El País

Site do espanhol ‘El País’ noticiou anulação de condenações de Lula como urgente — Foto: Reprodução/El País

Uma tarja com o anúncio de “urgente” informa: “Um juiz do Supremo do Brasil anula as condenações contra Lula da Silva. A decisão permitirá ao ex-presidente ser candidato nas eleições”.

A matéria explica que Fachin analisou um recurso de Lula e anulou quatro casos contra ele, incluindo o que o excluiu das eleições de 2018.

“Público” – Portugal

Português Publico também noticiou anulação de condenações de Lula — Foto: Reprodução/Publico

Português Publico também noticiou anulação de condenações de Lula — Foto: Reprodução/Publico

“Condenações de Lula na Lava-Jato anuladas por juiz do Supremo”, indica o site de notícias, que informa ainda que tribunais do Distrito Federal vão decidir o que acontece às investigações contra Lula.

“Corriere della Sera” – Itália

Site do jornal italiano'Corriere della Sera' noticiou a anulação da condenação de Lula — Foto: Reprodução

Site do jornal italiano ‘Corriere della Sera’ noticiou a anulação da condenação de Lula — Foto: Reprodução

O site do jornal italiano “Corriere della Sera” noticiou a anulação da condenação de Lula e disse que o ex-presidente “agora pode se candidatar novamente”.

O artigo ressalta que a decisão não precisa ser ratificada em plenário, mas que provavelmente o Ministério Público entrará com recurso.

“Clarín” – Argentina

Notícia sobre anulação das condenações de Lula no argentino Clarín — Foto: Reprodução/Clarín

Notícia sobre anulação das condenações de Lula no argentino Clarín — Foto: Reprodução/Clarín

O site do principal jornal argentino destaca: “Anulan todas as condenações contra Lula da Silva e poderá voltar a ser candidato”. A matéria explica que o juiz Edson Fachin, do STF, ordenou que a investigação fosse reiniciada em outras jurisdições, devido à suposta parcialidade do Ministério Público e do ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro.

“La Razón” – Bolívia

Notícia sobre anulação das condenações de Lula foi manchete no boliviano La Razón — Foto: Reprodução/La Razón

Notícia sobre anulação das condenações de Lula foi manchete no boliviano La Razón — Foto: Reprodução/La Razón

O site do jornal deu bastante destaque ao assunto, com o título “Juiz da Corte Suprema do Brasil anula todas as condenações de Lula” em sua manchete. O site explica que a decisão foi tomada por se considerar incompetente o tribunal que as ditou, no âmbito da operação Lava Jato.

“La Tercera” – Chile

Site do chileno La Tercera destaca decisão do ministro Fachin sobre Lula — Foto: Reprodução/La Tercera

Site do chileno La Tercera destaca decisão do ministro Fachin sobre Lula — Foto: Reprodução/La Tercera

“Juiz da Corte Suprema do Brasil anula condenações de Lula e (ele) fica habilitado a concorrer em eleições”, anuncia o site.

“Isso significa uma vitória do Partido dos Trabalhadores (PT), já que o ex-presidente mais uma vez tem direitos políticos e pode ser o candidato presidencial em 2022”, ressalta a matéria.

Do G1.