HU anuncia retorno do atendimento na maternidade após uma semana de suspensão

Medida de prevenção à disseminação da Covid-19 foram tomadas após o hospital ter comunicou que 4 recém-nascidos foram confirmados com o vírus

A assistência na maternidade do Hospital Universitário Lauro Wanderley (HULW-UFPB/Ebserh) será retomada nesta quinta-feira (6/8), uma semana após a instituição optar pela suspensão do atendimento como medida de prevenção à disseminação do coronavírus no centro de saúde. No último dia 30 de julho, o HULW comunicou à sociedade, por meio de nota, que quatro recém-nascidos tiveram diagnósticos confirmados para a covid-19, e dois deles faleceram.

Em função disso, houve bloqueio da Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTI Neonatal) e a consequente interrupção de entrada de novas gestantes na maternidade. O retorno das internações na maternidade do HULW será gradual, utilizando-se dos protocolos de acesso já estabelecidos pela Comissão de Controle da Infecção Hospitalar e Comitê Operativo de Emergência ao enfrentamento da covid-19. Também será feito um estudo junto aos profissionais da instituição, com testagem quinzenal, para que se possa identificar eventuais casos positivos e um possível foco de transmissão no hospital.

De acordo com o titular da Gerência de Atenção à Saúde (GAS) do HULW, Moisés Diogo de Lima, a proposta do Hospital Universitário de retomar as atividades assistenciais foi acatada pelo Ministério Público paraibano, nas esperas estadual (MPT), federal (MPF) e do Trabalho (MPT), durante audiência por videoconferência realizada na tarde de segunda-feira (03.08).

“A perspectiva de retorno é para a próxima quinta-feira, conforme reunião realizada com o Ministério Público Federal, diretores de outras maternidades, secretarias de Estado e do Município. Na ocasião, reforçamos que a interrupção do atendimento foi necessária, pois identificamos casos de covid-19 entre recém-nascidos”, explica o gestor.

O gerente da GAS/HULW acrescentou que, no período em que a maternidade ficou fechada para entrada de novas gestantes, foram adotadas medidas de desinfecção terminal dos ambientes (alas A e B), desinfecção dos repousos dos profissionais e remoção de todas as crianças, para oferecer a melhor segurança possível às gestantes e aos profissionais que atuam no Lauro Wanderley. O HULW ainda realizou testagem para covid-19 de todos os recém-nascidos e seus acompanhantes, utilizando-se do exame RT-PCR. Nos casos em que se confirmou a contaminação pelo coronavírus, os envolvidos foram transferidos para a maternidade de referência, que é a Frei Damião.

Moisés Diogo de Lima também destacou que, desde o início do ano, o Hospital Universitário vem adotando protocolos de segurança com vistas ao enfrentamento do coronavírus. “Os protocolos vêm sendo utilizados e foram reforçados mais uma vez, desde a admissão da paciente, para que evitemos alguns possíveis casos de acompanhantes ou de gestantes assintomáticas e que possam, por ventura, estar transmitindo o vírus (Sars-CoV-2)”, afirma.

Em relação às crianças internadas no HULW e que foram contaminadas pela covid-19, o gerente de Atenção à Saúde do Hospital Universitário refutou a hipótese de que teria havido falha por parte da instituição. “Em momento algum! A infecção pela covid-19 está presente em todos os ambientes; no transporte público possivelmente, nos supermercados, enfim, onde existe aglomeração. O grande problema são as pessoas assintomáticas, que naturalmente desconhecem ser portadoras do vírus e, assim, transmitem a infecção”, diz. Outro agravante, conforme o gestor, é a indisponibilidade de um exame, em qualquer lugar, que seja fidedigno e rápido para detecção das pessoas assintomáticas.

FLUXO INTERNO – Pelo protocolo atual, quando uma gestante dá entrada na maternidade do HULW com sintomatologia sugestiva de covid-19, logo é encaminhada para  a unidade de referência em João Pessoa, que é a Maternidade Frei Damião. “Esse fluxo vai ser ainda mais reforçado no hospital, no sentido de identificar possíveis pessoas assintomáticas, que possam ser transmissoras da infecção”, ressalta o gerente Moisés Diogo de Lima.

Comente