Gregória diz que PCdoB se solidariza com João Azevêdo e Flávio Dino após ameaças de Bolsonaro

A presidente do PCdoB na Paraíba, Gregória Benário, relatou em entrevista ao Paraíba Já que tem recebido mensagens de solidariedade de diversas lideranças que não são nordestinas após as falas de cunho xenofóbico do presidente Jair Bolsonaro (PSL) contra os nordestinos e a ameaça de retaliação contra os governadores João Azevêdo (PSB), da Paraíba, e Flávio Dino (PCdoB), do Maranhão.

“É um grande problema ver um presidente da República que continua na perspectiva totalmente preconceituosa e divisionista da nação. Adotar uma postura de não reconhecimento da identidade do Nordeste é algo que nos preocupa. Então, de antemão, nós [do PCdoB] prestamos toda a solidariedade tanto ao Governo da Paraíba como também o Governo do Maranhão. Somos todos ‘paraíbas’ com muito orgulho […] só para você ter noção, até pessoas que não são paraibanas e nordestinas e estão ficando indignadas. Estou recebendo mensagens de pessoas que tomaram para si essa luta e prestam solidariedade”, afirmou.

+ “Parente pau-de-arara”; “tua cabeça não nega”: Bolsonaro volta a destilar preconceito contra NE

+ Bolsonaro afirma que ataques foram mesmo direcionados aos governadores da Paraíba e Maranhão

A dirigente partidária tachou as manifestações recentes de Bolsonaro de “racismo” e lamentou que paraibanos e nordestinos em geral que foram obrigados a deixar suas terras por conta da Seca e ajudaram a desenvolver economicamente estados do Sudeste hoje sejam alvos de preconceito.

“É um racismo de forma gritante. A gente tem combatido a questão de preconceitos sobre identidade, raça e xenofobia. É algo que a gente tenta desconstruir há muito tempo. Tudo isso [a xenofobia] passou a existir por conta do êxodo rural, o combate à Seca e os nordestinos que foram para o Rio de Janeiro, por exemplo, para o desenvolvimento econômico da cidade, hoje sofrem esse tipo de discriminação. Um presidente que reforça este preconceito, aí é inimaginável. É o gestor maior e tem que combater este preconceito, não reforçar”, concluiu.

Comente