Governo da PB lembra 89 anos de morte de João Pessoa com missa e ato cívico

Uma celebração eucarística na Catedral Basílica de Nossa Senhora das Neves deu início, nesta sexta-feira (26), às homenagens do Governo do Estado ao 89° aniversário de morte do presidente João Pessoa. Além da celebração, fizeram parte das homenagens um ato cívico e uma visita ao mausoléu, onde estão depositados os restos mortais de João Pessoa.

O secretário de Estado da Articulação Política, João Gonçalves, destacou a importância de João Pessoa na história do povo paraibano. “O governador João Azevêdo mantém a tradição de se homenagear o legado de João Pessoa, com a missa, a visitação ao mausoléu e o ato cívico. A história existe para ser contada”, afirmou.

Para o jornalista Abelardo Jurema, sobrinho-neto de João Pessoa, as homenagens promovidas pelo Governo do Estado mostram a importância que o político teve na história da Paraíba. “Em nome da família, quero agradecer ao governador João Azevêdo pela sensibilidade em manter essa solenidade, que acontece há 89 anos”, disse, sugerindo que outras ações deveriam ser adotadas para tornar a história de João Pessoa ainda mais conhecida, como concursos de redação.

A celebração eucarística foi presidida pelo pároco oficial da Catedral, monsenhor Robson Bezerra de Mello. “Esta celebração é por tudo o que representou João Pessoa, homem que trabalhou muito pelo Estado, sendo reconhecido na administração pública”. Monsenhor Robson destacou, ainda, a modernidade trazida à administração pública pelo presidente João Pessoa. “Administrou com coragem e determinação. E só um homem que está com Deus tem essas virtudes”, comentou.

Preservação da história

Durante o ato cívico, realizado na Praça João Pessoa, conhecida como Praça dos Três Poderes, no Centro da Capital, autoridades lembraram a história do presidente João Pessoa, cujo assassinato foi o estopim para a Revolução de 1930.

O secretário de Estado da Cultura, Damião Ramos Cavalcanti, durante o discurso, ressaltou que homenagens como as do Governo do Estado têm como missão fazer com que as gerações do presente e do futuro não esqueçam os grandes nomes da história brasileira. “Esta festa nunca deve se acabar para que os homens de vulto sejam sempre lembrados, para que suas ações sejam imitadas. Neste sentido, João Pessoa foi um grande vulto da nossa sociedade”, disse.

Já o vereador Milanez Neto, sobrinho-bisneto de João Pessoa, afirmou que a história de João Pessoa é um orgulho para o País. “É uma história construída com destemor e coragem, com muita vontade de fazer pelos paraibanos. Os exemplos que ele deixou não foram poucos: na mobilidade urbana, com a Avenida Epitácio Pessoa; o Porto de Cabedelo, por exemplo”.

Após o ato cívico, parentes de João Pessoa e autoridades fizeram uma visita ao mausoléu do presidente, localizado nos Jardins do Palácio da Redenção, onde estão os restos mortais dele,  e depositaram uma coroa de flores.

João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque nasceu em 24 de janeiro de 1878 na cidade paraibana de Umbuzeiro. Formado em Direito, João Pessoa ocupou diversos cargos importantes, entre eles auditor-geral da Marinha, ministro do Supremo Tribunal Militar e eleito presidente da Paraíba em 1928.

Ele foi ainda candidato a vice-presidente do Brasil na chapa encabeçada por Getúlio Vargas.

João Pessoa foi assassinado pelo advogado João Dantas, em uma confeitaria em Recife, em 26 de julho de 1930, episódio que foi o estopim para a Revolução de 30.

Comente