Gervásio Maia avalia como “gravíssimas” as revelações de Moro e adianta instalação de CPI

A saída do ex-ministro Sérgio Moro do comando do Ministério da Justiça vem repercutindo no cenário político paraibano. O deputado federal Gervásio Maia (PSB) avaliou como gravíssimas as revelações do ex-juiz, ditas em coletiva nesta sexta-feira (24), sobre o governo do presidente Jair Bolsonaro. O parlamentar paraibano também adiantou para o Paraíba Já que a bancada do PSB deve protocolar um pedido de CPI para apurar as afirmações de Moro.

+ Sergio Moro pede demissão do Ministério da Justiça e deixa governo Bolsonaro

“Ele fez uma fala gravíssima, porque acusa o presidente de querer utilizar a Polícia Federal com fins políticos. Inclusive, ocupando espaços importantes para fazer com que aja interferência em algumas situações, elencadas até por Moro, a exemplo de processos que tramitam no STF. E a gente sabe que a Polícia Federal mesmo não sendo órgão do Poder Executivo, mas exerce uma função forte de polícia judiciária. Realmente é algo muito grave”, afirmou Gervásio.

Não só isso, mas a pensão que foi acordada entre Moro e Bolsonaro, também ficou sob suspeita. “Como também é grave ele dizer que condicionou a ida dele ao ministério em troca de uma possível pensão vitalícia para seus familiares. Então é uma série de colocações que são muito graves”, completou o deputado.

Autonomia da PF nos governos do PT

O ex-ministro da Justiça também salientou que por mais crimes de corrupção que existissem, os governos do PT, com Lula e Dilma Rousseff, sempre deram autonomia total para a Polícia Federal realizar suas ações. O que parece ser a visão contrária de Bolsonaro, já que loteou o cargo com um nome político, largando a opção técnica.

“Veja que uma coisa que todo Brasil sabia, que na época que o PT esteve à frente da presidência o que mais preservou foi a autonomia da Polícia Federal. E apenas hoje, o ex-ministro vem reconhecer”, declarou Gervásio.

“Na verdade, tenho memória bem acesa com relação ao comportamento dele também. Um homem que foi juiz, que colocou, sem provas, na cadeia aquele que seria eleito presidente, depois disso assume um cargo com o campo político que saiu vitorioso. Um juiz parcial, mas que trouxe hoje uma fala de algo que já vinha sendo muito especulado”, prosseguiu o parlamentar, antes de finalizar: “com a fala dele, as coisas se tornam sólidas e consistentes”.

Comente