Fundadora de espaço para crianças com microcefalia denuncia falta de apoio da PMCG

Uma fundadora do espaço de acolhimento para crianças com microcefalia do Instituto Professor Joaquim Amorim Neto (Ipesq), Adriana Melo, denunciou que a Prefeitura Municipal de Campina Grande (PMCG) não tem providenciado o transporte para que as crianças cheguem na entidade.

“Gostaria de saber do responsável pelo transporte das crianças com microcefalia em Campina Grande porque não está tendo transporte para as mesmas irem para terapia no IPESQ? Muitas faltas ultimamente por falta de transporte. O tratamento é caro e temos uma lista de espera. Fornecemos leite, fraldas, espessantes, exames, sondas, terapias sem receber um único centavo público e a contrapartida mínima que esperamos é o transporte para que essas crianças”, reclamou.

A Casa de Apoio conta com quartos e uma academia para as mães, além de uma brinquedoteca para as crianças. O local foi alugado e reformado com a ajuda de voluntários que se disponibilizaram a realizar doações e ações em prol da arrecadação de verbas. Ele se mantém também através de doações.

Comente