Expulso do PSL, Frota acusa Bolsonaro de ser desleal com Julian Lemos

Expulso do PSL na semana passada, o deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) afirmou que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) foi desleal com alguns companheiros que foram decisivos durante a campanha eleitoral do ano passado. Em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, o agora parlamentar tucano citou o deputado federal paraibano Julian Lemos (PSL) como um dos injustiçados pelo capitão reformado do Exército Brasileiro.

“Bolsonaro mudou muito depois que sentou naquela cadeira (presidencial). Ele sempre usou um banner na campanha onde falava que ‘soldado ferido no exército dele, na guerra, não fica pra trás’; e ele deixou vários. Deixou (o ex-ministro) Gustavo Bebianno (demitido da Secretaria-Geral em 18 de fevereiro deste ano)… Deixou (o deputado federal paraibano) Julian Lemos, que foi um soldado leal do Jair Bolsonaro; deixou (o ex-senador pelo Espírito Santo) Magno Malta… Então, algumas pessoas que eu acho que não mereciam passar pelo que passou (sic)”.

Assista abaixo trecho da entrevista de Alexandre Frota

Apontado como coordenador da campanha de Bolsonaro no Nordeste, Juilian Lemos passou a ser escanteado pelo presidente da República após entrar em rota de colisão com um de seus filhos, o vereador carioca Carlos Bolsonaro.

O imbróglio envolvendo Carlos e Julian começou em dezembro do ano passado. Em uma postagem nas fedes sociais, o filho do presidente afirmou que o deputado paraibano nunca foi coordenador da campanha do pai no Nordeste. “Julian Lemos, a pessoa que tem se colocado como coordenador de Bolsonaro no Nordeste não é nunca foi! Detalhes creio que todos sabem”, escreveu Carlos à época em sua conta no Twitter, sugerindo ainda que o parlamentar da Paraíba parasse de “tentar aparecer” à sombra do pai.

Em resposta, Julian Lemos decidiu usar o Instagram para se pronunciar após os ataques. “Na minha casa o que meu pai falava era respeitado, na minha casa eu aprendi honrar pai e mãe, só assim eu poderia ser feliz e ter paz, hoje percebo porque tenho filhos e uma esposa linda e vivo em paz”. O texto publicado pelo deputado acompanhava um vídeo em que Jair Bolsonaro o chama de “nosso coordenador no Nordeste” e “nosso candidato pela Paraíba”.

Carlos, então, foi até o setor de comentários do Instagram de Julian Lemos e escreveu a seguinte mensagem: “Senhor Julian Lemos, não adianta postar vídeo antigo para se esconder atrás de meu pai, que apenas colaborou com sua campanha na Paraíba. Sua retórica sempre foi totalmente previsível. Quem elegeu Bolsonaro foram as pessoas de todos os segmentos e que nenhum momento pleiteiam algo a mais, a não ser um Brasil melhor! No vídeo você era candidato e Bolsoanaro quis somente lhe ajudar, como fez com várias pessoas. Não use isso para aparecer atrás dele por algum motivo como vem fazendo a todo momento”

Julian retrucou: “Prezado Carlos, não irei expor seu pai, que é meu amigo, se você não o respeita, eu sim, um vídeo novo resolveria? Eu tenho! Mas não é esse o caso, não ataque gratuitamente os soldados do seu pai, sem motivos. Essa guerra é longa e cada soldado é importante, eu sou um deles quer você queira ou não. Por respeito a ele, unicamente a ele, irei parar a discussão, espero que encontre paz no seu coração. Você não é meu alvo nem meu inimigo. Quanto ao Nordeste pouco sabes, nunca pusestes os pés lá”.

Treta com outro filho do presidente

No mês passado, o alvo de Julian Lemos foi um filho mais novo do presidente, o deputado federal Eduardo Bolsonaro. Em entrevista à TV Master, na Paraíba, o parlamentar paraibano se mostrou contrário à indicação do caçula do presidente da República para comandar a Embaixada do Brasil nos Estados Unidos.  Para Julian, o momento seria “inapropriado”.

“Todo mundo sabe o respeito que eu tenho ao presidente, mas eu acho o momento inapropriado. Se dependesse da minha opinião eu acharia que o momento não é propício a isso”, disse Julian, acrescentando não ser contra a indicação do nome de Eduardo, mas que caso fosse consultado pelo presidente, o aconselharia a não indicar o filho para a Embaixada.

Assista abaixo a entrevista completa com Alexandre Frota

Comente