- Publicidade -
Cotidiano

Ex-ministro paraibano diz que Bolsonaro prefere contar mortos a desempregados

Ex-ministro da Fazenda no governo José Sarney, o economista paraibano Maílson da Nóbrega comentou, nesta quarta-feira (25), o polêmico pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre o fim do isolamento social para conter o avanço do coronavírus no país. Para ele, o presidente demonstrou preferir mais contar mortos a desempregados.

- Continua depois da publicidade -

“Em primeiro lugar, está o objetivo de salvar vidas; em segundo lugar, de pôr dinheiro nas mãos das pessoas, particularmente às de renda mais baixa, as menos favorecidas. Em terceiro lugar, salvar as empresas de uma quebra. Esse é o objetivo terceiro. O primeiro é salvar vidas. O presidente parece dar a impressão de que ele prefere contar os mortos do que contar os desempregados”, pontuou o economista paraibano.

Para Maílson da Nóbrega, não é hora do Planalto de pensar em ajuste fiscal, “até porque a medida aprovada pelo Congresso, a proposta do poder executivo de decretar calamidade já geram autorização para o governo não cumprir a meta de resultado primário”.

O ex-ministro da Fazenda disse que só será possível organizar as finanças públicas após a crise causada pelo impacto do coronavírus.

“O que é preciso é que sejam medidas temporárias, evitar que as medidas fiscais se incorporem aos usos, aos costumes, às expectativas dos governadores, dos prefeitos, é preciso que ela seja temporária. Passada a crise, aí sim voltamos à tarefa que é inarredável de colocar novamente as finanças públicas em ordem no Brasil”, destacou Maílson da Nóbrega.

“O resultado primário para este ano é estimado em R$ 124 bilhões e, provavelmente, vai ser muito mais que isso. Já se calcula que pode chegar a R$ 300 bilhões”, completou o paraibano.

Reveja abaixo o polêmico pronunciamento de Bolsonaro

 

Comente

Redação Paraíba Já

Fundado em maio de 2010, o Paraíba Já é um portal de notícias sediado em João Pessoa (PB), que tem compromisso com a verdade, fazendo um jornalismo de qualidade e relevância social.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar