EUA: médico adiou aposentadoria para atuar em pandemia e morre de Covid-19

Ele sentiu febre na segunda semana de abril e morreu dias depois. Estudantes, especialmente os negros, o tratavam como uma lenda

Aos 62 anos, James Mahoney decidiu adiar sua aposentadoria quando a pandemia de Covid-19 explodiu. Ele, que atuava num hospital do Brooklyn, em Nova York, que atende principalmente pessoas pobres e negras, queria se manter na linha de frente de atendimento aos pacientes.

Mahoney sentiu febre na segunda semana de abril. No dia 20 daquele mês, com dificuldades para respirar e andar, foi internado. Morreu sete dias depois com a doença que enfrentava.

“Algumas pessoas são relutantes em entrar nos quartos, e você pode entender o porquê”, disse o chefe de Mahoney, Robert F. Foronjy, ao New York Times. “Ele via outro ser humano precisando de ajuda e não hesitava”.

Médico por 40 anos, Mahoney atuou na linha de frente quando a epidemia de Aids surgiu nos anos 1980, no atendimento a vítimas dos atentados de 11 de setembro de 2001 e quando o furacão Sandy provocou enormes estragos em Nova York.

Amigos e familiares pediram para que, desta vez, aos 62 anos, se preservasse. Ele não quis. “Ele trabalhou na linha de frente até o final”, contou Melvin Mahoney, irmão de James.

“Uma das tristes histórias desta pandemia é que nós estamos perdendo pessoas que não poderíamos nos dar ao luxo de perder”, disse Foronjy.

Comente