Estratégia de Cartaxo para barrar CPI da Lagoa escancara o medo, diz vereador

O vereador de oposição Humberto Pontes (Avante) não sabia se ria ou chorava com a estratégia do prefeito Luciano Cartaxo (PSD) e sua bancada para barrar a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar as irregularidades na execução da obra da Lagoa.

Para o vereador, Cartaxo estaria com medo da CPI da Lagoa ser aprovada porque há ainda a possibilidade da vereadora Raissa Lacerda (PSD) ser assinar o pedido de investigação parlamentar. “Isso só mostra o medo deles”, declarou.

Da ingratidão

O líder da oposição Bruno Farias (PPS) afirmou, durante sessão na Câmara de João Pessoa (CMJP), que o prefeito Luciano Cartaxo (PSD) tem repetido o mesmo comportamento de ingratidão que adotou nos últimos anos.

Isso porque o primeiro caso de ingratidão foi com a sua desfiliação do PT, partido em que Cartaxo tinha 20 anos de história e havia conquistado a primeira vitória da Prefeitura de João Pessoa.

O segundo caso de ingratidão tem sido com a orientação à sua bancada pela protocolação das três Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs), em que, de acordo com Bruno, compromete os principais aliados do prefeito: os deputados Rômulo Gouveia, presidente estadual do PSD, e Aguinaldo Ribeiro.

Indignação

Bruno Farias lamentou, na noite desta quarta-feira (20) que a estratégia da bancada cartaxista fosse voltar protocolar três pedidos de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), para barrar uma investigação na Casa de Napoleão Laureano sobre as irregularidades da obra da Lagoa.

“Essa estratégia que foi tramada hoje na reunião da bancada do prefeito, com a presença de Cartaxo, revela de maneira muito nítida o medo que o prefeito tem de ser investigado pelas irregularidades na execução da revitalização do Parque Solon de Lucena. O prefeito foge da investigação da Lagoa como o diabo foge da cruz. Ele se pela de medo de uma fiscalização por parte da Câmara, auxiliando os órgãos de controle, como CGU, MPF e PF na tentativa de nós elucidarmos esse caso e quem de fato levou o dinheiro para casa. E revela, sobretudo a fragilidade do prefeito, e de sua bancada”, alfinetou.

O líder da oposição ainda pontuou que os argumentos usados pelos aliados de Cartaxo para não assinar a CPI da Lagoa foram por água abaixo, e, ainda analisou os casos que eles pretendem investigar com essas três CPIs.

“Até meio dia de ontem, o prefeito e a bancada diziam de maneira uníssona que não assinavam a CPI da Lagoa porque enxergavam politicagem nessa CPI. Eles diziam que, pelo fato de PF, MPF e CGU já estarem investigando a Lagoa, não havia razão do parlamento municipal auxiliasse nas investigações, através de uma CPI. Mas hoje essa máscara caiu. A máscara do prefeito caiu, porque ele orientou a sua bancada a protocolar três CPIs. E pasmem, o objeto dessas três CPIs já são investigadas na Justiça. Mas o fato é que a base dá um tiro no pé, porque o discurso que foi até agora construído, se desmancha. E repito: demonstra de maneira cabal que o prefeito faz de tudo, faz todo tipo de artimanha para impedir que a CMJP auxilie os órgãos de controle”, disse.

Bruno ainda aproveitou para desafiar o prefeito e sua bancada. “De modo que nós vamos enfrentar esse debate. E mais do que enfrentar, vamos um desafio público ao prefeito Luciano Cartaxo. Nós, como bancada de oposição, nos comprometemos a assinar as três CPIs que foram protocoladas pelo governo. Mas a gente pede que o prefeito autorize os vereadores de sua própria bancada a assinarem a CPI da Lagoa. Eu quero ver se o prefeito tem coragem ou se alguém da base tem independência e autonomia de querer investigar a Lagoa, que é um escândalo em nossa cidade. Que, de acordo com a CGU, foi objeto de desvio de mais de R$ 10 milhões e que portanto merece sim ser investigada pelo poder legislativo, sob pena de estar virando às costas para a população de João Pessoa”, declarou.

 

Comente