Estilista de SP cria máscaras de luxo de até R$ 600: “vírus não gosta de brilho”

Logo que postou nas redes sociais as peças confeccionadas com pedras, fios de ouro e prata, o estilista Luddy Ferreira, 52 anos, não teve aceitação unânime.

“Como está todo mundo em casa, com tempo de sobra, teve gente que não entendeu a ideia e falou muito mal. Mas acabou sendo bom porque meu produto foi divulgado rapidamente. Então, quem quis fazer maldade não conseguiu”, avisa ele.

Luddy reconhece que uma parte do mal-entendido aconteceu por culpa dele, que a princípio chamou de “máscara” o que na verdade é apenas um suporte para ser usado por cima do modelo cirúrgico.

Casual e conceitual

Feitas em 12 modelos, oito cores, as peças custam entre R$ 120 (“a coleção casual, carro-chefe”) e R$ 600, as “peças-conceito”.

“Na verdade, ainda estou desenvolvendo as peças. Quando você cria, a cabeça não para, as ideias fervilham. Como esse mundo do ‘feito a mão’, de prender pedrinha por pedrinha, é o meu, eu não vejo dificuldade em ficar criando, criando, criando”, diz o estilista, que tem ateliê em Campinas, a 100 km de São Paulo, e desde 1993 se dedica a criação de vestidos de noiva e de festa.

“Tracei minha carreira com o propósito da exclusividade, trabalhando com mercado feminino”, explica Luddy, que diz ter recebido encomendas dos suportes de máscaras de todo o Brasil, “do Rio Grande do Sul ao meio da floresta Amazônica”.

Enxergando o belo

Os maiores consumidores do produto, segundo ele, são os médicos.

A doutora Juliana Saab, 32 anos, que trabalha com “medicina estética” e usou em sua festa de debutante um vestido pink assinado por Luddy, já adquiriu cinco modelos – com fios dourados, prateados, aplicação de pérolas fantasia, e nas cores vinho e cinza.

“Eu acho que, em momentos difíceis para o ser humano, a gente precisa enxergar o belo. Em 2018, quando eu morava na Califórnia, tive de deixar Santa Bárbara e ir para Los Angeles por causa das cinzas deixadas pelo maior incêndio de que se teve notícia na região [atingiu especialmente a cidade de Paridise]. Na ocasião, precisamos usar máscaras, e minha mãe, lembrando disso, me presenteou com essas que o Luddy fez”, explica.

Por sua vez, a obstetra Karla Rocha, 49 anos, conta que soube da novidade pelo “whatsapp”. “Sou cliente do Luddy há muito tempo. Ele fez o vestido que eu usei na formatura da minha filha e no meu aniversário de 27 anos de casamento. A princípio, achei que não daria para usar a ‘máscara’ nos partos, mas então ele me explicou que é preciso colocar o modelo cirúrgico por baixo. Aí eu vi que tudo bem.”

Como surgiu a ideia de fazer os suportes para máscaras?

Há quatro anos, eu tive uma doença autoimune e precisei usar máscara o tempo todo, porque minhas defesas foram a zero. Se eu pegasse qualquer coisa, poderia vir a óbito. Desenvolvi um trauma muito grande, e comecei a observar que as pessoas que precisam estar com máscaras, como médicos, passam para a gente uma sensação de dó, de tristeza.

Um dia, pensei: “Nossa, vou criar algo diferente para resgatar a vaidade das mulheres que usam máscaras. Eu quero ver a dentista atendendo uma criança com uma máscara cor-de-rosa da Barbie.”

Atitudes assim têm o poder de reverter essa situação do medo da máscara. Eu falo disso em relação à criancinha, mas também ao que está acontecendo atualmente. Todo mundo de máscara, vem aquele pânico de morrer.

Desta vez [pandemia], eu imaginei fazer uma coisa bem legal, alegre, com brilho, o olhinho de todo mundo brilha quando vê uma joia. Brilho atrai brilho. Bolei até uma frase: “Vírus não gosta de brilho”, só para ficar com um ar mais engraçado. Claro, reconhecendo o devido valor desse vírus.

Acho que pode dar uma leveza, até para os profissionais de saúde, de que eu rstou recebendo uma resposta muito imediata de gratidão. São eles os maiores consumidores do meu produto.

Algumas pessoas o atacaram nas redes sociais

É que compartilharam a história pela metade. Nos primeiros vídeos, eu chamei erradamente de “máscara” o que na verdade é apenas um suporte para usar por cima do modelo cirúrgico. Mas mesmo depois que eu expliquei teve gente que falou muito mal, o que, no fim, foi bom porque houve uma divulgação muito rápida do meu produto.

As pessoas estão começando a entender a minha ideia, e acredito que mais uns dois dias elas vão saber do que se trata. Reverteu para o bem.

Quantas pessoas trabalham no seu ateliê?

Hoje, trabalham 12 pessoas, direta e indiretamente.

Elas estão trabalhando em casa?

Sim, as senhoras mais velhas e pessoas de grupo de risco, sim. Como o trabalho é muito artesanal, elas continuam fazendo de casa. Aí, eu tenho aqui uma equipe que corta, higieniza a peça e no final do dia alguém leva para elas. Hoje, eu tenho quatro pessoas trabalhando no ateliê.

E você?

Meu ateliê é em casa. Estou super na moda, faço home office.

O preço do suporte é sempre R$ 120?

Enquanto eu conseguir encontrar matéria-prima para executar as peças casuais, o preço será esse. Acontece que, querendo ou não, toda matéria-prima vem da China. Então, quando eu não encontrar mais, o preço vai subir.

Mas, sim, as “peças conceito” são mais caras, podem chegar a R$ 600, porque a gente leva até dois dias para confeccionar. Eu uso pedras de zircônia, swarovski, fio de prata, e as senhoras que trabalham comigo bordam à mão em cima de placas de silicone, ou crinol, que é uma tela plástica própria para armar saia de vestido de vesta. Quanto mais exclusiva a peça, maior o valor agregado.

Já teve encomendas?

Sim! Do Rio Grande do Sul ao meio da floresta Amazônica. Xingu. Já foi a caixa.

Recebi mensagens até de clientes que moram fora do país, lá nos Estados Unidos. Também da França, teve um whatsapp de uma francesa. Foi uma coisa muito veloz, que no princípio me assustou bastante.

Então está vendendo bem?

As primeiras peças eu nem consegui fotografar. Vendi tudo e tem fila de espera, glória a Deus!. Agora, estou programando as entregas para as pessoas que compraram no começo da semana só para sexta-feira.

É um trabalho muito artesanal. Para produzir oito peças, eu gasto 9 horas. Não é como uma camiseta, que eu faço em escala industrial. Tem de fazer o pontinho, passar a linha no buraquinho da agulha.

Atualmente, muita gente tem se dedicado a fazer máscaras domésticas, para uso pessoal. Os modelos recomendados a pessoas que precisam sair de casa estão em falta. Até as cirúrgicas, usadas por profissionais de saúde, passaram a ser racionadas nos hospitais.

Algumas pessoas estão me crucificando, dizendo que eu deveria fazer máscaras para doar, mas, gente, eu sou um empresário, tenho de me reinventar, ajudar as pessoas que precisam trabalhar.

Em menos de quatro dias, empreguei mais pessoas. Isso, pra mim, não tem preço.

Do UOL

Comente