“Na realidade, o secretário Adalberto Fulgêncio não tem competência para o cargo. É mais um amigo do prefeito que é colocado como secretário e por isso nós estamos vivendo o pior momento da saúde, um abandono total”, disparou a vereadora Raíssa Lacerda (PSD), sobre a interdição do Complexo Hospitalar de Mangabeira Tarcísio Burity, o Trauminha, realizada pelo Conselho Regional de Medicina (CRM-PB) nesta quarta-feira (13).

Segundo ela, a população já vinha reclamando há tempos das condições do hospital, assim como os médicos, que vêm se mostrando insatisfeitos com as condições de trabalho. “Até luva tem faltado”, pontua a vereadora.

“Nós, da oposição, já destinamos até emendas para o Trauminha para ver se melhorava, mas nós sabemos que existem verbas federais altíssimas que vêm para investir na saúde de João Pessoa, e infelizmente o gestor não sabemos para onde tá mandando”, declarou.

Entenda o caso

O Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB) fiscalizou o Complexo Hospitalar de Mangabeira Tarcísio Buritiy – Ortotrauma, conhecido como Trauminha, na manhã desta terça-feira (12) e interditou eticamente um dos dois blocos cirúrgicos existentes no hospital. Os médicos ficam impedidos de realizar procedimentos no setor a partir desta quarta-feira (13). A equipe de fiscalização constatou que havia graves problemas nas salas de cirurgia, como buracos no teto, infiltrações, ferrugem e mofo, causando sérios riscos aos pacientes.  Este bloco interditado possui quatro salas para cirurgias gerais. Há ainda outro bloco, com três salas, que realiza procedimentos de ortotrauma, que continuará funcionando normalmente, apesar de algumas irregularidades.

Comente