Escola Integral do Campo é inaugurada e vai beneficiar 180 crianças de 4 a 11 anos

Grande diferencial da da unidade é a de incluir no currículo escolar as disciplinas da Base Nacional Comum Curricular

A prefeita Márcia Lucena, inaugurou, na tarde desta sexta-feira (14), a Escola Municipal de Ensino Fundamental Integral do Campo Maria Eunice Egyto de Souza, na Salsa, com a capacidade para 180 crianças com idades dos 4 aos 11 anos, correspondentes, respectivamente, da pré-escola até o 5º ano. O investimento total para a obra foi da ordem de R$1.408.028,56, resultantes de um convênio com a Secretaria de Estado da Educação e de recursos do Tesouro Municipal.

O grande diferencial da Escola Integral do Campo é a de incluir no currículo escolar as disciplinas da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) com os da Educação do Campo para propiciar aos alunos de Conde conteúdos e vivências relacionadas a própria realidade deles.

Márcia Lucena enfatizou que a primeira escola em tempo integral em Conde é um marco para a educação da cidade. “Nós temos um município que é 70% rural e a gente precisa preparar as pessoas para suas habilidades, respeitando as identidades. Pela primeira vez na história desse município teremos uma escola de tempo integral e voltada para uma de suas principais habilidades, que é a vida no campo. Com essa escola voltada para o campo o Governo Municipal reconhece a tradição e ao mesmo tempo o potencial de uma educação para essas novas gerações que compreendam a riqueza deste lugar e de como é possível ressignificar a vivência no meio rural e a vivência com uma produção familiar mais arrojada, que dialoga com as tradições e ao mesmo tempo é antenada com as mudanças pelo mundo contemporâneo”, disse.

A Unidade de Ensino Municipal representa 180 crianças de um universo de 6.755 vagas de alunos devidamente matriculados na rede de ensino. Os novos alunos chegarão a uma rede municipal em que 85% dos estudantes têm capacidade de leitura, diferente do cenário encontrado em 2018, quando foi aplicado um teste de proficiência e apenas 5% do total conseguia ler.

A secretária de Educação, Cida Uchôa, afirmou que as aulas presenciais na Escola Integral do Campo só ocorrerão no ano letivo de 2021. Até lá, os alunos continuam com as aulas remotas, ocasionadas devido à pandemia. O funcionamento no modelo integral contará com aulas diárias das 8h às 16h e os conteúdos serão os da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que dividirão espaços com os conteúdos da educação do campo, a exemplo da história da terra do Conde, agroecologia, sustentabilidade, Economia Solidária e agroreflorestamento.

Cida Uchôa destacou que novos professores com formação em educação de campo serão incorporados ao universo de 418 profissionais da educação, incluindo os da educação infantil, fundamental e da Educação de Jovens e Adultos (EJA) para dar conta dessa metodologia que une teoria, prática e um universo rico sobre o campo. “Os alunos terão os conteúdos currículos existentes em todas as escolas, mas o diferencial está no conteúdo da educação do campo, que vai possibilitar aos alunos um empoderamento da cidade, que ressignifique, mas não mude a condição de se sentir parte do campo com uma proposta pedagógica que vai aliar conteúdos atuais e importantes como a agroecologia e sustentabilidade na formação dos alunos”, frisou.