“Enquanto eu for governador do Estado, a Cagepa não será privatizada”, diz João

Pré-candidato à reeleição, o governador João Azevêdo (PSB) Voltou a descartar a possibilidade de privatizar a Companhia de Água e Esgotos da Paraíba. Em entrevista à Rádio CBN na manhã desta terça-feira (5), o Chefe do Poder Executivo pontuou que a Cagepa “é uma empresa que tem dado resposta à sociedade” e que por isso precisa continuar sob o controle do Estado.

Ele destacou que, a partir do novo marco regulatório do saneamento, às companhias estaduais precisam buscar novas fontes de financiamento para atingir os índices estabelecidos, e por isso, a implementação de PPPs (Parcerias Público-Privadas) passou a ser uma alternativa das empresas estatais, “o que não significa privatização”.

“Enquanto eu for governador do Estado, a Cagepa não será privatizada. Ao contrário, nós estamos é fortalecendo esse órgão do Estado que presta um serviço extraordinário, e que precisa estar no olhar atento da gestão, como ela é hoje”, disse o governador.

Assista abaixo trecho da entrevista

Na área de Educação, João Azevêdo ressaltou os investimentos de sua gestão nas estruturas física e pedagógica, que garantiram ao estado a melhor avaliação em nível nacional do ensino remoto durante a pandemia da Covid-19.

“Nós distribuímos 260 mil chips com pacotes de dados, estamos completando o ciclo de distribuição de 17 mil notebooks para os professores, ampliamos o ensino integral para 302 escolas, das quais 150 são de nível técnico, preparando o jovem para o mercado de trabalho. Reformamos cerca de 150 escolas estaduais, firmamos convênios com os municípios para construção, reformas de escolas e ginásios. Além das 213 creches, destinamos mais de R$ 230 milhões em pesquisa e vamos ampliar esses investimentos para que a educação continue avançando”, pontuou.

Ele destacou ainda as ações em saúde que garantiram a interiorização dos serviços e uma melhor prestação de serviço aos paraibanos. “Nós acabamos com a fila da vergonha com o programa Opera Paraíba, que realizou mais de 24 mil cirurgias eletivas, implantamos uma rede de tomógrafos em todo o estado, a hemodinâmica em Campina Grande e Patos, evitando grandes deslocamentos, o que é fundamental para salvar vidas. Inauguramos o Hospital de São Bento após 21 anos de espera e estamos fazendo o Hospital da Mulher, em João Pessoa. Abrimos o Hospital de Clínicas, em Campina Grande e implantamos a UTI aérea. Ou seja: demos as respostas à população no enfrentamento à pandemia e não deixamos faltar leitos e vacinas para as pessoas, atestando que na Paraíba o SUS realmente funciona”, comentou.