Publicidade
Cotidiano

Em 5 anos, energia eólica pode iluminar até metade da Paraíba

Atualmente, a capacidade de eólica instalada na Paraíba, com 15 parques, pode gerar energia para atender 22% da população do Estado, ou seja, 870 mil pessoas. Até 2023, com a implementação de outros 12 projetos de parques contratados, a capacidade energética instalada será correspondente a 52,18% da população, o que ainda é pouco perto do estado vizinho. O líder em produção eólica é o Rio Grande do Norte, que tem uma capacidade instalada 22,5 vezes maior, totalizando 3,5 GW, o suficiente para abastecer um terço da Região Nordeste, ou seja 19,6 milhões de pessoas.

A Paraíba, em sua capacidade máxima, pode produzir apenas 4,42% do que o Rio Grande do Norte, com 157,2 MW. O estado vizinho, após perceber que a energia eólica pode acabar com a falta de energia nos lugares mais distantes sem a necessidade de implantação de linhas de transmissão, investiu pesado a partir de 2010.

- Continua depois da publicidade -

Na Paraíba, são 15 parques eólicos em operação gerando 157 MW de capacidade instalada, sendo que 12 deles estão localizados no município de Marataca, dois em São João do Sabugi e um em Santa Luzia. Mais 12 parques já estão contratados no Estado (projetos que foram arrematados nos últimos leilões de energia e que entrarão em fase de construção), podendo fazer a capacidade chegar a 371,4MW – total que esses parques vão gerar quando estiverem operando comercialmente, entre 2019 e 2023.

Segundo o mapeamento da Iberdrola, e divulgado ano passado pelo Centro de Estratégias em Recursos Naturais e Energia (Cerne), a região do Seridó e sertão do estado, por ficarem a cerca de 700 metros acima do nível do mar, geram bastante vento.

Vento

O que pode atrapalhar os planos é um projeto de cobrança de royalties sobre o vento, que também poderia afetar o crescimento da energia solar, que também poderá ser tributada.

Organizar melhor a cadeia produtiva

Para o presidente do Centro de Estratégias em Recursos Naturais e Energia (Cerne), Jean-Paul Prates, a Paraíba tem um grande potencial a desenvolver, tanto em eólica quanto em solar. “O Estado precisa certamente organizar melhor algumas diretrizes e instrumentos para o desenvolvimento de uma cadeira produtiva mais consistente, mas acho que tanto o Governo do Estado quanto os setores empresariais locais têm se movimentado bem a respeito”, diz.

Segundo ele, existem fatores locais relacionados a licenciamentos socioambientais, relacionamento com as cidades e comunidades, agilização e apoio a operações logísticas, entre outros, que podem ser muito ajudados pela ação estadual. “Além, é claro, do acompanhamento setorial e promoção do Estado como destino de investimentos nesta área”, finaliza.

Ele considera que o que pode impedir a evolução é a cobrança de royalties do vento. Segundo a proposta de emenda constitucional do deputado Heráclito Fortes, do PSB do Piauí, “o vento é um recurso que pertence a todo o povo brasileiro e é justo que os benefícios econômicos dessa atividade sejam compartilhados”.

O texto também afirma que as fazendas eólicas ocupam vastas áreas que limitam a realização de outras atividades econômicas, como o turismo, o mesmo acontecendo com a energia solar.

Brasil já ultrapassa o Canadá

O Brasil ultrapassou o Canadá no ranking mundial de capacidade instalada de energia eólica em 2017, passando a ocupar a oitava posição, de acordo com levantamento feito pelo Global World Energy Council (GWEC) e divulgado pela Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica).

No ano passado, foram adicionados 52,57 gigawatts (GW) de potência de energia eólica no mundo, chegando a uma capacidade instalada total de 539,58 GW.

O Brasil acrescentou 2,022 GW de potência eólica ano passado, chegando a 12,763 GW e, em fevereiro, alcançou os 13 GW (o suficiente para abastecer 24 milhões de residências por mês), quase a mesma quantidade de energia que a Usina de Itaipu, a maior hidrelétrica do Brasil, gera (14 GW). O primeiro lugar segue com a China, que acrescentou 19,5 GW ano passado e chegou a 188,232 GW de capacidade instalada da fonte eólica.

Segundo a Abeeólica, até 2020, considerando os contratos já assinados e os leilões realizados, a capacidade instalada de energia eólica do país vai chegar a 18,63 GW. Com os novos leilões, a tendência é que o número cresça.

Utilização da fonte começou em 92 no País

A energia eólica no país começou em 1992, com o início da operação comercial do primeiro aerogerador instalado no Brasil, fruto de uma parceria entre o Centro Brasileiro de Energia Eólica (CBEE) e a Companhia Energética de Pernambuco (CELPE), por meio de financiamento do instituto de pesquisas dinamarquês Folkecenter. Essa turbina eólica, de 225 kW, foi a primeira a entrar em operação comercial na América do Sul, localizada no arquipélago de Fernando de Noronha, em Pernambuco.

Atualmente, o RN tem 133 parques eólicos em operação comercial com potência instalada total de 3.582 GW, o que representa 84,76% de todo o estado. Há também seis usinas fotovoltaicas, num total de 117,10 MW e ainda 32 usinas termelétricas. Há 19 parques eólicos sendo construídos no RN, totalizando 468 MW e 13 projetos eólicos contratados (somando 330,3 MW em potência instalada) prestes a começarem suas obras.

O Rio Grande do Norte fechou 2017 na liderança da produção eólica no país, com 1.455,3 MW med de energia entregues no ano passado, incremento de 20,7% em relação ao mesmo período de 2016.

Os dados confirmaram ainda o Estado com a maior capacidade instalada, somando 3.548,65 MW, aumento de 11,5% em relação a 2016.O RN é líder nacional em potencia instalada e geração eólica.

Érico Fabres do Correio da Paraíba

Comente

Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
Facebook, Twitter e Youtube.

Interaja com o Paraíba Já:
E-mail: [email protected] | WhatsApp: (83) 98176 - 1651

Thaysa Videres

Jornalista - Assessoria de Comunicação do Hospital Clementino Fraga - Assessora Parlamentar - Repórter - [email protected]

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar