Eleição no Belo: o que a diretoria queria ao barrar imprensa e liberar torcida organizada?

POR PETTONIO TORRES

Chegou a mim, via WhattsApp, fotos e denuncias, que só tomei conhecimento agora, que a atual diretoria do Botafogo da Paraíba proibiu na manhã do último domingo (11), dia da eleição, que sócios-torcedores e jornalistas acompanhassem o pleito para o Conselho Deliberativo.

Até, colegas da imprensa esportiva, como Pedro Alves, do site Globoesporte.com, foi ‘barrado no baile’. “Fui convidado a me retirar do Terraço do Belo, onde conselheiros se reúnem e aguardam a horas votar na eleição do Botafogo-PB. Por que a imprensa não pode acompanhar a movimentação?”, postou ele em uma rede social.

Por outro lado, também para o meu espanto, a mesma diretoria autorizou que membros de uma torcida organizada que apoia a atual gestão entrassem e se instalassem no Terraço do Belo, onde ficavam os candidatos da chapa de oposição.

Já o acesso aos sócios-torcedores, que está previsto no artigo 26 do Estatuto do clube, também foi muito estranho. Vale lembrar que muitos dos sócios, centenas deles, sustentam suas mensalidades mesmo diante da pandemia e da impossibilidade de assistir os jogos no estádio.

O pleito, como é de conhecimento público, foi cancelado por força de uma decisão judicial, que obrigou a Comissão Eleitoral a reintegrar 21 candidatos ao pleito pela chapa de oposição. Eles foram retirados dias antes da disputa de forma estranha.

A diretoria do Belo, que pautou o debate até aqui no discurso de democracia e abertura do clube, mostrou na prática nas eleições do domingo passado um gesto nada republicano.

A eleição acontece dia 18, neste domingo.

Diante do que aconteceu, algumas perguntas ficam no ar:

– Por que barrar a imprensa ?

– Por que barrar sócio-torcedor

– Por que colocar torcida organizada no mesmo espaço de membros da chapa adversária?

– Será que tudo isso se repetirá domingo?

Domingo, dia 11, senti o cheiro de justiça no ar. E a eleição foi judicializada.

Para este, 18, estou sentido cheiro de polícia. Torço para que o pleito não acabe na Central do Geisel.

Pettronio Torres é jornalista, blogueiro e cronista esportivo