Efraim Filho quer desburocratização de créditos e proteção para salvar empregos e empresas

A bancada do Democratas esteve reunida em conferência virtual com o ministro Paulo Guedes, da Economia. Durante três horas, foi feita uma profunda avaliação do cenário econômico do Brasil, as medidas de governo e legislativas que estão sendo adotadas.

Foco da discussão na desburocratização das ações, apoio a Estados e principalmente municípios. O ministro fez questão de ressaltar a parceria com o presidente Rodrigo Maia para aprovar rapidamente as medidas urgentes e ressaltou o desempenho do ministro Mandetta, da Saúde, além de dizer que no lugar de corte de salários, o congelamento por dois anos para servidores públicos traria melhor resultado para tentar manter poder de compra das famílias e ajudar na retomada da economia. Guedes fez

O líder Efraim Filho (PB) focou na desburocratização e simplificação dos procedimentos: “Já temos valores anunciados que são robustos, mas precisam ser liberados, precisam chegar na ponta, precisa transformar linha de crédito em dinheiro real. A vida dos brasileiros que saber da proteção aos empregos e socorro financeiro as empresas de pequeno porte”, disse o líder.

“Linha de crédito via bancos não funcionam para chegar no pequeno. Hoje existem meios mais modernos e ágeis, como as adquirentes e as empresas das `maquininhas´ , que têm condições de chegar mais próximo e com menos burocracia aos médios, pequenos e micro empreendedores individuais”, ressalta Efraim Filho.
Também houve a sugestão de que o programa de proteção ao emprego possa ter efeitos retroativos a março e não apenas a partir da publicação da Medida Provisória que projeta seus efeitos a partir de abril.
O ministro, relata o líder, afirmou que irá reforçar o apoio a Estados e Municípios através do Plano Mansueto, bem como a possibilidade de antecipar Restos a Pagar e emendas parlamentares para descentralizar os recursos de investimentos por todos os cantos e recantos do país. Ministro também reportou que vai prestigiar o trabalho do agronegócio e evitar cortes no SENAR (Serviço de Aprendizagem Rural).

A reunião contou de forma ativa com cerca de 19 parlamentares, a exemplo de Pedro Paulo (RJ), relator do Plano Mansueto; Geninho Zuliani (SP), relator do marco do saneamento; e professora Dorinha (TO) , relatora do Fundeb.

Comente