Edilma vira alvo de investigação do MPPB por paralisação de obra já licitada de escola

De acordo com a denúncia, a reforma custou cerca de de R$ 668.000,00 aos cofres públicos e encontrava-se paralisada desde 15 de dezembro de 2018

A candidata a Prefeitura de João Pessoa pelo PV, Edilma Freire, se tornou alvo um inquérito civil do Ministério Público da Paraíba (MPPB), após a ouvidoria do órgão ter recebido uma denúncia de supostas irregularidades na paralisação das obras de reforma e de ampliação da Escola Municipal de Ensino Fundamental Doutor Severino Patrício, no Alto do Mateus, nesta Capital.

De acordo com a denúncia, a reforma custou cerca de de R$ 668.000,00 aos cofres públicos e encontrava-se paralisada desde 15 de dezembro de 2018. Na versão da Prefeitura as obras teriam sido paralisadas em virtude de falhas na execução por parte da empresa contratada. Mas a versão de um funcionário da empresa, de acordo com a denúncia, a obra estaria atrasada porque a gestão municipal teria um débito pendente.

A Secretaria de Infraestrutura (Seinfra) realizou uma visita ao local e constatou que a obra estava paralisada, então enviou a Pasta que Edilma comandava um ofício informando a falta de pagamento do contrato, para a finalização da obra e pediu que fossem adotadas as medidas necessárias em relação a empresa, porém nenhuma resposta foi obtida, de acordo com o documento.

Diante dos fatos, o MPPB resolveu instaurar um inquérito civil, para investigar o motivo da paralisação das obras e notificou Edilma, para eu fossem prestados os devidos esclarecimentos. A portaria que autorizou a investigação foi publicado no dia 15 de fevereiro de 2020, no Diário Oficial Eletrônico do MPPB.

Veja inquérito civil na íntegra