E-commerce pode se beneficiar de programa de compliance

Adotar políticas de conformidade a normas internas e externas é fundamental para proteger empresas e clientes

Com a popularidade do comércio eletrônico crescendo a cada dia, juntamente com o aumento de transações online, a implementação de políticas de compliance tornou-se essencial para garantir a segurança dos dados dos consumidores. Práticas de validação de identidade, programas de treinamento e a criação de canal de denúncias são algumas das apostas.

Conforme aponta artigo publicado no portal do E-commerce Brasil, a preocupação dos consumidores com a segurança de seus dados é cada vez maior e, adotando políticas de compliance, as empresas do setor podem transmitir segurança e confiança, fortalecendo a sua reputação e a fidelidade de seus clientes.

O termo “compliance” vem do verbo “to comply”, que significa cumprir ou obedecer, e se refere ao cumprimento de leis e normas. Cada organização e setor conta com regulamentações específicas que devem ser seguidas. Assim, é determinante que cada empresa esteja ciente dessas legislações e busque cumpri-las internamente. 

Além disso, a adesão a normas e leis voluntárias também faz parte do compliance de uma companhia. Quando a empresa tem clareza sobre as regras e leis que deve seguir, fica mais fácil proteger tanto o negócio quanto seus clientes. 

Junto a isso, é importante manter a transparência sobre o processo para aumentar a confiança dos clientes e fazer com que eles tenham mais segurança ao comprar. Oferecer treinamento de complicance à equipe, por exemplo, é uma maneira de garantir que os processos sejam implementados e executados corretamente. 

Compliance no comércio eletrônico

A conformidade em comércio eletrônico refere-se a como as empresas online atendem aos requisitos regulamentares dos mercados em que estão vendendo. Está inclusa, assim, uma ampla coleção de questões legais e éticas que afetam a maioria — ou todas — as partes do negócio. 

Para o sucesso a longo prazo de uma empresa, portanto, é preciso que ela atenda aos padrões de conformidade o tempo todo. De acordo com estudo feito pela Gartner, a previsão é de que 75% dos consumidores mundiais estejam cobertos por leis de privacidade modernas em 2023, contra 10% em 2020. Ressalta-se ainda que a privacidade de dados é apenas uma parte do negócio que deve ser abordada, dentre inúmeros outros fatores.

Conforme enfatiza o especialista em interface entre Negócios e Tecnologia de Informação (TI), Leonardo Parreira, em entrevista ao portal E-commerce Brasil, quando se fala de vendas digitais, as fraudes são questões que impactam significativamente o compliance de uma empresa.

As consequências podem ser sentidas tanto pelos consumidores quando pela organização. Dessa forma, as práticas de conformidade são aliadas importantes para mitigar riscos e prevenir fraudes e crimes.

Vale lembrar ainda que as leis de proteção de dados, como a LGPD, também impactam o compliance e devem ser foco de atenção dos responsáveis pelo setor. Como essa é uma área que lida com dados sensíveis de pessoas físicas, como informações financeiras, CPF e endereço, é necessário contar com mecanismos que protejam tais dados e evitem violação.

Práticas de compliance no e-commerce

Para garantir a segurança e a proteção de dados dos consumidores, as empresas de comércio eletrônico precisam seguir as leis e regulamentos aplicáveis. Além da proteção de dados e combate às fraudes, algumas das principais práticas de compliance nesse contexto incluem a transparência nas transações. Para isso, é preciso fornecer informação clara sobre preços, condições de pagamento e entrega, bem como políticas de privacidade e devolução.

O treinamento para os funcionários também é uma medida importante. É crucial que os funcionários da empresa estejam cientes das práticas de compliance e saibam como agir em situações que envolvam questões de segurança e proteção de dados.

Além disso, o monitoramento constante é fundamental, já que essas práticas não são estáticas e devem ser revistas e atualizadas para garantir a adequação às novas leis e regulamentos que surgirem.

Por último, a implementação de um canal de denúncia é fundamental para o sucesso do programa de compliance. A plataforma deve ser fácil de acessar e permitir que qualquer pessoa denuncie possíveis violações. É importante que as denúncias sejam investigadas rapidamente, de forma séria e que as medidas adequadas sejam tomadas para resolver problemas.