Socialistas históricos divulgam nota comemorando adiamento de fusão com PPS

    0

    Ex-presidente nacional do PSB, Roberto Amaral comemorou nesta sexta-feira (5) o imbróglio que adiou a fusão entre seu partido e o PPS, de Roberto Freire, união classificada por ele como um crime.

    “Agradecemos a todas as companheiras e companheiros de militância pela resistência coletiva que impediu, até aqui, o assassinato de nosso Partido”, disse ele em nota, lembrando, porém, que “não há muito que comemorar, pois, segundo ainda os jornais, o harakiri foi apenas adiado e por razões que não são necessariamente as nossas que lutamos pela bandeira da esquerda socialista”.

    “Conclamamos a militância a continuar a luta contra a fusão, pelo que ela representa de atraso e perda política e ideológica. Mas conclamamos principalmente para nos ajudar a manter acesa a chama do socialismo”, diz ainda o texto.

    Leia, abaixo, a íntegra do documento, assinado também pela deputada federal paraibana Luiza Erundina:

    Às companheiras e companheiros de militância socialista

    O noticiário da imprensa dá conta de que o vice-governador de São Paulo não poderá entregar ao PSDB a negociada fusão do PSB com o PPS.

    diganao2Agradecemos a todas as companheiras e companheiros de militância pela resistência coletiva que impediu, até aqui, o assassinato de nosso Partido. Mas não há muito o que comemorar, pois, segundo ainda os jornais, o harakiri foi apenas adiado e por razões que não são necessariamente são as nossas que lutamos pela bandeira da esquerda socialista. Divergências sobre o comando da legenda teriam impedido a consumação do crime. A pequena política nos teria livrado da pequena política.

    É imperioso, portanto, manter nossa luta e avançar, na esperança de que nem tudo está perdido.

    Conclamamos a militância a continuar a luta contra a fusão, pelo que ela representa de atraso e perda política e ideológica. Mas conclamamos principalmente para nos ajudar a manter acesa a chama do socialismo.

    Mais animados, e mais decididos do que nunca, continuaremos, ao lado da militância, defendendo o PSB contra sua descaracterização ideológica. O nosso PSB é aquele herdeiro da Esquerda Democrática, foco de resistência à ditadura do Estado Novo, que, na sua fundação, contou com a participação de João Mangabeira, Domingos Velasco, Hélio Pellegrino, Paulo Emílio Salles Gomes, Antônio Cândido e Caio Prado Jr.

    Nosso Partido Socialista Brasileiro constituiu-se em 1947, sob o lema Socialismo e Liberdade, comprometido com a redemocratização, ao lado dos trabalhadores. Seu destino era lutar contra as desigualdades sociais e a exploração do homem pelo homem. Somos todos responsáveis pelo patrimônio político e moral construído a partir daí e responderemos perante a História pelo que fizermos desse legado.

    Em seu Manifesto fundador, comprometia-se o PSB com a luta pela supressão das desigualdades sociais, a abolição dos privilégios de classe, a gradativa superação do capitalismo. Sustentava que as conquistas democrático-liberais eram importantes, porém insuficientes para extinguir a exploração do homem pelo homem.

    Todos esses temas são de dramática atualidade.

    Contra as conspirações golpistas e os arranjos retrógrados a serviço do pacto de classe que sempre se opuseram ao progresso social, os socialistas defenderam a posse de JK, a posse e o governo de Jango (com suas “reformas de base”) e as Ligas Camponesas comandadas por Francisco Julião, deputado federal pelo PSB de Pernambuco.

    Lutamos sempre pela reforma agrária, nos distinguimos na batalha “O Petróleo é nosso” e na defesa da Petrobras.

    Contando em nossas fileiras com Pelópidas da Silveira, o primeiro prefeito de esquerda da cidade do Recife, resistimos desde o primeiro momento ao golpe militar de 1º de abril de 64, que apeou do poder um mandatário eleito pelo voto popular e lançou o Brasil na longa noite da ditadura de 64-85. Como os demais partidos, o PSB foi cassado pelo AI-2. Seus militantes aderiram à resistência ao regime castrense, nas mais variadas formas de luta.

    Reorganizado em 1985, por Antônio Houaiss, Evandro Lins e Silva, Evaristo de Morais Filho, Jamil Haddad e Roberto Amaral, entre outros, e resgatando o Programa e o Manifesto de 47, o PSB faria oposição ao governo Sarney e defenderia, na Constituinte de 88 –pela qual tanto lutou – o direito de greve, a unicidade sindical e a reforma agrária, além da punição da tortura como crime inafiançável e imprescritível.

    Coligando-se ao PT e ao PCdoB em 1989, o novo PSB seria artífice da Frente Brasil Popular e teria o senador José Paulo Bisol como candidato à Vice-Presidência da República, na chapa de Luiz Inácio Lula da Silva. Ao longo dos anos 1990, reforçado pelo ingresso de Miguel Arraes e mantendo seu compromisso com a construção de um projeto democrático-popular, o PSB se opõe firmemente às experiências neoliberais de Fernando Collor Mello e Fernando Henrique Cardoso. Teve participação decisiva no impeachment de Collor, na mobilização popular, no Congresso e no julgamento, através de Evandro Lins e Silva, José Paulo Bisol e Jamil Haddad. Participa do governo Itamar Franco, com Jamil Haddad à frente da pasta da Saúde e Antônio Houaiss na Cultura, e dele se afasta, por iniciativa de Miguel Arraes, quando a politica econômico-social passa a ser dirigida por FHC, então Ministro da Fazenda.

    Este é o nosso PSB. Este, o PSB que pretendem matar. Este, o PSB que defenderemos, sempre.

    Após apoiar Lula no segundo turno das eleições presidenciais, em 2002, o PSB participa de seu governo, apoiando fielmente o projeto de redução da pobreza e ocupando cargos de relevo como o Ministério da Ciência e Tecnologia, através de Roberto Amaral, Eduardo Campos e Sérgio Rezende. Apoia sua reeleição e a eleição de Dilma Rousseff, de cujo governo participa com os ministros Ciro Gomes, Pedro Brito, Leônidas Cristino e Fernando Bezerra.

    Na página mais lamentável de sua história, até aqui, e que poderá ser superada por outra ainda mais nefasta, se a pretendida fusão um dia vier a se realizar, o PSB decide, no segundo turno das eleições presidenciais de 2014, declarar apoio ao candidato da direita. Menos mal, contudo, que a tentativa de chegar ao poder pela via do oportunismo desabrido não se tenha concretizado.

    Após apoiar Lula no segundo turno das eleições presidenciais, em 2002 (no primeiro turno, sob a liderança de Miguel Arraes, lançara a candidatura própria de Anthony Garotinho), o PSB participa de seu governo, apoiando fielmente o projeto de redução da pobreza e ocupando cargos de relevo como o Ministério da Ciência e Tecnologia, através de Roberto Amaral, Eduardo Campos e Sérgio Rezende. Apoia sua reeleição e a eleição de Dilma Rousseff, de cujo governo participa com os ministros Ciro Gomes, Pedro Brito, Leônidas Cristino e Fernando Bezerra.

    Na única página lamentável de sua história, até aqui, e que poderá ser superada por outra ainda mais nefasta – se a pretendida fusão vier, um dia, a se realizar –, o PSB decide, no segundo turno das eleições presidenciais de 2014, declarar apoio ao candidato da direita. Menos mal, contudo, que a tentativa de chegar ao poder pela via do oportunismo desabrido não se tenha concretizado.

    Ao optar por aliar-se ao que sempre combatera, ao escolher tornar-se uma contrafação de si mesmo, o PSB, por decisão majoritária de sua direção nacional, resolve renegar seu passado e, assim, abdicar do futuro. Comprometeu sua identidade ideológica, afastou-se do campo da esquerda, renegou sua história e ao final não obteve os ganhos eleitorais e administrativos (cargos) que o pragmáticos prometiam.

    O caminho da traição, no entanto, não estava completo: dando seguimento ao que iniciou no ano passado, a nova direção, majoritariamente, comandada de fato por interesses personalíssimos e alheios ao nossos compromissos políticos, empenhou-se em promover a fusão do PSB com o PPS, linha auxiliar do projeto conservador tucano. Aquilo que a direita jamais conseguiu – senão temporariamente, e por meio de ato de força da ditadura militar – é proposto pelos dirigentes: extinguir o PSB, com a fusão, da qual resultaria um outro partido, uma nova sigla e uma nova Fundação, substituindo a João Mangabeira. Mudando de campo político, os socialistas agora tratariam de compor um satélite ampliado da centro-direita.

    A deslealdade, que enxovalha a memória dos construtores do PSB, seria também um ato de estupidez política. Afinal, neste momento em que a esquerda brasileira busca novos caminhos, novas referências éticas e políticas, um renovado projeto de país, o PSB, que poderia crescer sem fazer concessões político-ideológicas, acolhendo os descontentes e conduzir o processo de renovação pela esquerda, de que o Brasil tanto necessita, decidiria tornar-se apêndice do PSDB – e isso, justamente quando a agremiação tucana aparta-se da socialdemocracia para ocupar o lugar do decadente DEM (ex-PFL e ex-ARENA).

    Nesta hora decisiva, os números não podem ofuscar os valores. Um partido não pode crescer apenas aritmeticamente, renunciando aos seus fundamentos.

    É preciso que o Partido abandone o oportunismo como linha programática e se mantenha fiel às lutas que explicam seu crescimento eleitoral. É preciso que o PSB permaneça no campo progressista, comprometido com o projeto de aprofundamento da democracia, de combate aos privilégios de classe e aos preconceitos de toda ordem. Comprometido, em suma, com a construção de uma nação soberana, rica, democrática, livre, justa e solidária.

    É chegada a hora: diga NÃO à descaracterização ideológica do PSB de que a FUSÃO é apenas um dos muitos instrumentos de que pode lançar mão uma maioria conservadora de ocasião.

    Brasília, 5 de junho de 2015.

    Roberto Amaral
    Luiza Erundina
    Glauber Braga
    José Gomes Temporão
    Joilson Cardoso
    Vivaldo Barbosa

     

    Comente

    Antares

    Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
    Facebook, Twitter e Youtube.

    Interaja com o Paraíba Já:
    E-mail: [email protected]

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here