Diretor da cadeia de Mamanguape morre, aos 45 anos, vítima da Covid-19

Denifrank Abrantes Soares, buscou atendimento médico na última quinta-feira, após apresentar sintomas gripais e falta de ar

A morte do policial penal Denifrank Abrantes Soares foi confirmada em nota pela Secretaria de Estado da Administração Penitenciária (Seap). Segundo a nota, Abrantes morreu vítima do novo coronavírus no início da noite dessa segunda-feira (4), no Hospital Metropolitano Dom José Maria Pires, em Santa Rita.

Familiares do policial, que atualmente era diretor da Cadeia de Mamanguape, informaram que ele passou vários dias em casa com febre alta e, após apresentar falta de ar, procurou uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) na quinta-feira, sendo depois encaminhado para o Metropolitano no último sábado (2), onde faleceu. Não há informações se o policial penal fazia parte do grupo de risco.

Em nota, a Secretaria de Administração Penitenciária da Paraíba lamentou a morte de Abrantes.

Leia nota na íntegra

NOTA DE PESAR

A Secretaria de Estado da Administração Penitenciária (Seap), comunica o falecimento do policial penal DENIFRANK SOARES ABRANTES no início da noite desta segunda-feira (4). Denifrank, 45 anos, era natural de Sousa, sertão paraibano e atualmente estava lotado na Cadeia Pública de Mamanguape, unidade onde era Diretor. O policial penal faleceu vítima da Covid-19 e insuficiência respiratória. Estava internado no Hospital Metropolitano “Dom José Maria Pires”, em Santa Rita. O secretário Sérgio Fonseca, em nome de todos que constituem a Seap, externa sentimentos de profundo pesar pela morte de Denifrank, policial penal que deixa como legado o perfil de um profissional exemplar e uma legião de amigos no Sistema Penitenciário da Paraíba. Denifrank Abrantes morava em João Pessoa e deixa esposa e um casal de filhos.

Comente