Deputado afirma que existe esquema nos contratos do Trauminha em JP

0

O deputado estadual Raoni Mendes (DEM) afirmou que obteve informações da existência de uma grau de parentesco entre o ortopedista Alexandre Galvão e o seu auxiliar Jorge, que é irmão de Marcos, proprietário das empresas Ortoplan e Fixan – que fornecem material para a Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) desde a época que o irmão do prefeito Luciano Cartaxo (PSD), presidente municipal do PSD, Lucélio Cartaxo,  foi candidato a senador, através de uma modalidade chamada, dispensa de licitação por adesão de Ata – e primo de Alexandre.

De acordo com o parlamentar, Alexandre assumiu a coordenadoria de ortopedia do Trauminha há dois dias e Jorge mesmo sem residência na área, porque conforme informações não conseguiu ser aprovado, estaria auxiliando Alexandre no atendimento médico. Raoni disse ainda que a empresa fornecedora de órteses e próteses  mantem um coordenador dentro do Trauminha que é o primo do dono da empresa.

“Infelizmente estamos vendo mais um caso de relação infringindo a Constituição Federal na questão da impessoalidade. Isso é uma relação promíscua que não poder continuar assim como acontece no laboratório”, comentou.

 

Sobre o caso

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) recebeu denúncias um esquema que envolveria parentesco, dispensa de licitação, e o cometimento dos crimes de atentado contra os princípios da administração e até mesmo enriquecimento ilícito, previstos na Lei de Improbidade Administrativa.

Um suposto primo do prefeito Luciano Cartaxo (PSD), Frederico Simões Cartaxo Ferreira, que é farmacêutico e Diretor do Laboratório Central de Saúde Pública da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), teve o laboratório, de que é proprietário – o Laboratório de Patologia Clínica Walfredo Nunes de Brito LTDA – beneficiado, por meio de dispensa de licitação, com um gordo contrato, no valor de mais de R$ 250 mil.

Na denúncia protocolada, a contratação é questionada tanto pelo valor, quanto por ter sido dispensada a licitação, beneficiando uma empresa, “aparentemente”, pertencente a um parente do gestor, servidor da prefeitura, sem o referido procedimento licitatório.

De acordo com a lei das licitações (8666/93) é vedado ao servidor público participar das licitações ou das execuções de obra ou serviço ou de fornecimento de bens, já que afrontaria os princípios da igualdade, competitividade e moralidade.

Ainda conforme a denúncia, os demais laboratórios contratos pela gestão municipais tiveram seus vínculos firmados através de processo licitatório chamado pregão.

Comente

Antares

Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
Facebook, Twitter e Youtube.

Interaja com o Paraíba Já:
E-mail: [email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here