Denúncia contra Vital do Rêgo Filho é aceita e ministro vira réu da Lava Jato

Ele é investigado por recebimento de vantagens em troca da obstrução dos trabalhos da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito da Petrobras

A denúncia da força-tarefa da Operação Lava Jato contra o ministro paraibano do Tribunal de Contas da União (TCU), Vital do Rêgo Filho, foi aceita pelo juiz federal, Luiz Antônio Bonat, nesta segunda-feira (31).

Ele é investigado por recebimento de vantagens em troca da obstrução dos trabalhos da (CPMI) da Petrobras.

A CPMI foi presidida pelo emedebista e não convocou executivos de empreiteiras posteriormente denunciadas na operação.

Também foi recebida a denúncia contra Roberto Souza Cunha, Ramilton Lima Machado Junior, João Carlos Lyra Pessoa de Mello Filho, Carolina Câmara Vasconcelos, Fábio Magno de Araújo Fernandes, Dimiri Chaves Gomes Luna, Alexandre Costa de Almeida, Alex Antonio de Azevêdo Cruz e Sandro Maciel Fernandes.

As propinas, segundo a PF, foram pagas por uma empreiteira por meio de doações ao PMDB e por repasses a empresas sediadas na Paraíba.

A operação da Lava Jato foi baseada nas informações repassadas por Léo Pinheiro, executivo da OAS, em acordo de colaboração premiada.

+ Operação Lava Jato: Ministro Vital do Rêgo e assessores têm bens bloqueados

Os investigados têm dez dias para se manifestarem nos autos, a contar do dia do recebimento da denúncia.

Comente