Delegado não descarta DNA em parentes de menina de 10 anos e nega pré-natal

Coletiva de imprensa realizada em Vitória, o delegado afirmou que as investigações apontam que os abusos eram praticados pelo tio

Preso hoje pela Polícia Civil do Espírito Santo, o homem suspeito de estuprar e engravidar a sobrinha de 10 anos pediu, em vídeo feito e divulgado nas redes sociais antes de ser detido, que fossem feitos exames de DNA em parentes da criança, como o avô e outro tio.

+Tio pede DNA e delegado diz que ele assumiu informalmente abusos contra sobrinha de 10 anos

Em coletiva de imprensa realizada hoje em Vitória, o delegado Ícaro Ruginski afirmou que as investigações apontam que os abusos eram praticados pelo suspeito, de 33 anos, que assumiu “informalmente” o crime, mas que a possibilidade da realização de exames em outros membros da família será analisada.

“Todas as hipóteses serão investigadas. Mas, a princípio, a indicação é de que os abusos tenham sido cometidos todos por ele. Informalmente, aos policiais, ele afirmou que realmente possuía alguma intimidade com a menina e fez abusos contra ela. Informalmente, enquanto ele está sendo conduzido para cá”, afirmou.

“Essa possibilidade será checada pela Polícia de São Mateus, mas as investigações apontam que os abusos eram praticados por ele. Ele disse que os atos eram consentidos, mas não há consentimento com crianças de 10 anos. Ele falou que tinha relações com a menina desde 2019”, continuou o delegado.

Além disso, Ruginski negou a informação de que a garota estaria fazendo um acompanhamento pré-natal na cidade de São Mateus e reforçou que o caso foi descoberto logo após a criança dar entrada no Hospital Roberto Silvares, na cidade do norte capixaba.

“Eu estive lá e verifiquei essa situação. Isso a princípio está descartado e em nenhum momento foi ventilada a possibilidade de ela estar em pré-natal antes de procurar pelo atendimento no dia 7”, disse.

Comente