Damares convoca coletiva, fica em silêncio, vai embora e depois revela encenação

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, convocou hoje (25) à tarde uma coletiva de imprensa no Palácio do Planalto. Ao chegar ao local, porém, estava aparentemente abalada e abandonou a entrevista sem responder às perguntas feitas.

Cerca de um hora depois do ocorrido, a assessoria de imprensa da ministra informou que o ato foi uma encenação. “Objetivo era mostrar como o silêncio da mulher incomoda”, informou a assessoria. Hoje é lembrado o dia Dia do Enfrentamento à Violência Contra a Mulher.

Esperada para entrevista coletiva às 15h, Damares chegou ao segundo andar do Planalto por volta das 15h25. Ela não respondeu aos cumprimentos de boa tarde e não falou mais nada.

Jornalistas então começaram a perguntar sobre a solenidade em referência ao Dia do Enfrentamento à Violência Contra a Mulher, celebrado em 25 de novembro, promovida hoje à tarde pela Presidência no Planalto. Ela não respondeu. Questionada se estava emocionada, também não se manifestou. Em seguida, fez sinal de gesto para terminar a entrevista e se retirou do local.

Cerca de meia hora depois da coletiva, Damares participou do evento no Planalto previsto conforme a agenda. A outra ministra do governo, Tereza Cristina (Agricultura), também esteve presente.

Chamada de “mita”, Damares engata discurso

Ao se dirigir ao púlpito, Damares foi chamada de “mita” pela plateia presente, formada majoritariamente por apoiadoras do governo, em referência ao apelido de “mito” dado ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) por seus fãs.

A ministra discursou por mais de 23 minutos em fala enérgica. Ela disse que o governo vai enfrentar a violência contra as mulheres na sociedade e citou iniciativas do ministério.

Damares afirmou que o governo pintará dois navios na Amazônia de rosa para funcionarem como Casa da Mulher Brasileira itinerantes e transformará todas as delegacias do país em “delegacias da mulher” por meio da capacitação de delegados, “nem que seja uma salinha pequenininha”. As informações são do UOL.

Comente