Cruz Vermelha teria subtraído bens do Hospital de Trauma de João Pessoa, aponta TCE

O Ministério Público de Contas (MPC) apontou – em relatório – que, entre as diversas irregularidades praticadas pela Cruz Vermelho do Brasil na administração do Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, em João Pessoa, a empresa subtraiu bens da unidade hospitalar. O relatório é assinado pelo Procurador do Ministério Público, Marcílio Toscano Franca Filho.

Este relatório foi encaminhado para o relator do Tribunal de Contas do Estado (TCE) Nominando Diniz e embasou o voto dele no tocante a prestação de contas da OS no exercício de 2013.

De acordo com o TCE, chamaram a atenção gastos da Cruz Vermelha com assessorias contábeis, passagens aéreas e fornecimento de alimentos, através de contratos firmados com empresas do Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.

O TCE impôs uma multa no valor de R$ 8,9 milhões a Cruz Vermelha, que deve ser ressarcida pelo diretor presidente da entidade, Ricardo Elias Restum, no prazo de 60 dias.

Comente