CPI da Covid ouve empresário suspeito de envolvimento no caso Covaxin

A CPI da Covid ouve nesta quinta-feira (23) o empresário Danilo Trento, suspeito de ter participado das negociações para a compra de testes e da vacina indiana Covaxin, cuja contratação foi intermediada pela Precisa Medicamentos.

A Precisa atuou na negociação entre o laboratório indiano Bharat Biotech, fabricante da vacina Covaxin, e o Ministério da Saúde. A empresa nunca divulgou detalhes do contrato, incluindo o valor que arrecadaria como representante brasileira na negociação.

O contrato de compra da Covaxin previa desembolso de R$ 1,6 bilhão para 20 milhões de doses, mas foi encerrado após uma série de denúncias de irregularidades, incluindo a constatação de fraude nos documentos enviados pela Precisa.

Danilo Trento obteve no Supremo Tribunal Federal (STF) o direito de não responder a perguntas que possam incriminá-lo.

Na decisão, o ministro Luís Roberto Barroso proibiu que sejam adotadas quaisquer medidas restritivas de direitos ou privativas de liberdade pelo direto ao silêncio do empresário.

‘Envolvimento’ com Maximiano
Autor do requerimento de convocação, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) diz que Danilo Trento é sócio da empresa Primarcial com sede em São Paulo e, no mesmo endereço da empresa Primares, cujo sócio é Francisco Maximiano.

“Recebemos também informações de que Danilo e Maximiano viajaram juntos à Índia para as negociações em torno dos testes de Covid e da vacina Covaxin”, diz o vice-presidente da CPI no pedido de convocação.

Os senadores suspeitam que Trento seja uma espécie de sócio “informal” de Maximiano e tenha se beneficiado de negócios com suspeitas de irregularidades.

Do g1