Covid-19: após reabertura, Belo Horizonte voltará a liberar apenas serviços essenciais

Prefeito Alexandre Kalil voltou a dizer que o momento é de "guerra" e fez um apelo para o cumprimento do isolamento social

“O bombardeio chegou à nossa cidade. E nós vamos tentar controlá-lo”, disse o prefeito Alexandre Kalil (PSD), no início da tarde desta sexta-feira (26), ao anunciar que apenas os serviços essenciais vão poder funcionar em Belo Horizonte a partir da próxima segunda-feira (29).

Alexandre Kalil voltou a dizer que o momento é de “guerra” e fez um apelo para o cumprimento do isolamento social. “A compreensão de que nós estamos em guerra é o que faltou a muita gente. Quando eu disse que nós estávamos em guerra, vocês estavam aqui. Eu nunca vi fazer churrasco em prédio em guerra. Eu nunca vi correr em guerra”, afirmou.

“Não estamos de férias. Fiquem em casa. Se houver churrasco num condomínio, denuncie, chame a polícia. Humildemente peço à população de BH: vamos respeitar a ciência.”

Abatido, Kalil pediu desculpas por ter que voltar atrás. “A culpa é toda do prefeito, que está matando a economia, o comércio. Mas tem uma coisa que vou preservar até o último dia: é a vida, a coerência.”

Além disso, ele afirmou que, assim que o projeto de lei aprovado nesta quinta-feira (25) pela Câmara Municipal de Belo Horizonte chegar à prefeitura, ele vai sancioná-la, obrigando o uso de máscaras nos espaços públicos e estabelecimentos da capital, sob pena de multa.

“Estamos voltando humildemente atrás”, disse o prefeito.

Recuo acontece após um mês

A flexibilização do isolamento social na capital estava prevista para ocorrer em quatro fases. A primeira foi no dia 25 de maio e a segunda no dia 8 de junho. Desde então, a capital estava parada na segunda etapa, com cerca de 80% dos estabelecimentos funcionando normalmente, porque o prefeito havia desistido de passar para as outras etapas, que abririam estabelecimentos como clubes de lazer e restaurantes.

Com o anúncio desta sexta-feira (26), há um recuo completo para uma fase anterior a este programa de flexibilização.

Veja o que é considerado “serviço essencial” desde o início da pandemia e poderá continuar funcionando a partir da próxima segunda-feira:

  • Hospitais
  • Farmácia
  • Hipermercado
  • Supermercado
  • Armazém
  • Mercearia
  • Padaria
  • Sacolão
  • Hortifrúti
  • Açougue
  • Posto de combustíveis
  • Óticas
  • Lojas de material de construção
  • Agências bancárias
  • Lotéricas
  • Agências dos Correios

Do G1

Comente