Comissão presidida por deputado da PB investigará R$ 1,2 bi gasto com medicamento cubano

0

As comissões de Fiscalização Financeira e Controle; e Finanças e Tributação convidaram o ministro da Saúde, Ricardo Barros, para explicar o processo de escolha de uma empresa cubana para fabricação da eritropoetina humana recombinante, medicamento indicado no tratamento da anemia associada à insuficiência renal crônica. O debate foi sugerido pelo deputado Wilson Filho (PTB-PB) e será realizado nesta quarta-feira (6).

As despesas por inexigibilidade já ultrapassam R$ 1,2 bilhão, mesmo havendo acordo de transferência de tecnologia para que o Brasil passe a também produzir a medicação indicada no tratamento da anemia associada à insuficiência renal crônica, incluindo os pacientes em diálise.

O presidente da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle, Wilson Filho, afirma que é preciso verificar se é regular a aplicação dos recursos públicos empregados nessas contratações. Ele lembra que desde 2004, o medicamento faz parte de um acordo entre os governos do Brasil e Cuba. Pelo acordo, a Fiocruz, órgão responsável pelo laboratório público, tem contrato com a empresa cubana CIMAB S.A, que prevê a transferência de tecnologia do medicamento e desenvolvimento do produto pelo laboratório Bio-Manguinhos.

O parlamentar destaca que em 12 de maio de 2017 o Ministério da Saúde publicou noticia em seu site informando que o processo para produção e aquisição do medicamento com base no acordo entre Brasil e Cuba foi cancelado após a constatação de “que o produto ofertado no país ainda vinha de Cuba, sendo apenas envazado no Brasil”.

No entanto, o próprio Ministério da Saúde publicara, noticiou a inauguração do novo centro de produção de insumos e medicamentos do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos BioManguinhos, destacando que “entre os medicamentos que serão produzidos no centro, está a alfaepoetina”. “Ora, estava sendo produzido ou apenas envazado? Precisamos saber se esse processo de compra é legal ou não e se existe a possibilidade de que essa medicação seja produzida aqui no Brasil com um menor custo”, afirmou.

Comente

Camara Municipal

Fique por dentro de todas as notícias do Paraíba Já nas redes sociais:
Facebook, Twitter e Youtube.

Interaja com o Paraíba Já:
E-mail: [email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here