Catão se diz surpreendido com busca e apreensão, mas garante que agiu legalmente

Alvo da quarta fase da Operação Xeque-Mate, deflagrada nesta quarta-feira (22), o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB), Fernando Catão, declarou que cumpriu os prazos do Tribunal e seguiu o parecer do Ministério Público de Contas para suspender a licença ambiental que permitia a construção do shopping em Cabedelo.

“Em que pese o desconforto da medida, não me traz nenhuma estranheza, estamos em um estado de direito, onde todos os cidadãos estão no regime da lei e notadamente os agentes públicos. Vejo com naturalidade. Ninguém mais do que eu quer o aprofundamento da investigação sobre o caso do shopping, porque tenho a consciência plena, tranquila e absoluta que agi dentro da legalidade”, afirmou, durante sessão plenária no TCE.

Ainda conforme Catão, ele foi surpreendido com a busca e apreensão realizada em sua residência e no TCE. Porém, ressaltou que apesar do desconforto, defende o aprofundamento da investigação.

“Tenho a consciência tranquila que a não construção daquele shopping em nenhum momento sofreu qualquer interferência por parte desse Tribunal. Agi dentro dentro da minha competência, dentro da legalidade e dentro do meu juízo de valor. Estou tranquilo. Não perdi um minuto de sono, não perco e não perderei a respeito desse assunto”, disse.

Para finalizar, o conselheiro disse que está à disposição para cooperar com as investigações em curso.

Comente