Cássio e a síndrome do rei sem coroa…

Por José Augusto de Almeida (advogado)

Distante da realidade de quem precisa trabalhar duro pra viver, o “ex-rei da Paraíba”, Cássio Cunha Lima, resolveu fazer beicinho e repetir o que só uma pessoa completamente desconectada insiste e dizer – que João Azevedo e Ricardo Coutinho não romperam. Pode?! Ainda que fosse verdade (custo a crer nessa teoria conspiratória e maluca), Azevedo pelo menos teve a grandeza de reconhecer em Cícero Lucena a liderança que Cássio despreza, humilha, pisa e cospe!

Lembro agora de quando Cássio, recém cassado pela Justiça Eleitoral, resolveu abraçar Ricardo Coutinho, mesmo sabendo do dano eleitoral e pessoal que causaria a Cícero Lucena, o ex-governador seguiu com seu plano de eleger o “Mago” e o resultado toda Paraíba viu. Cássio não permitiu que Cícero disputasse as eleições para o governo e posteriormente negou ao Caboclinho legenda até para o senado. Em 2012 Cássio abandonou Cícero em João Pessoa, atendendo aos pedidos de RC, enquanto o dinheiro da Calvário irrigava eleições em praças como: Campina Grande, Guarabira e Patos. Sempre virando as costas para Cícero, agia sorrateiramente.

Cássio sempre atrapalhou Cícero! Nunca gostou de alguém que pensa pela própria cabeça. Este é o verdadeiro Cássio Cunha Lima, um líder que a cada dia tem menos poder, mas não tem o cuidado de olhar para cima e perceber que está sem coroa.

O ex-rei precisa acordar para o fato de que a população de Campina Grande (por exemplo) acredita muito mais no prefeito Romero Rodrigues que nele e que Bruno Cunha Lima só é candidato por não ser tucano e não abaixar a cabeça pra tudo que ele diz.

Cássio está distante da realidade, desconectado da Paraíba e alheio ao mundo real. Vive dos próprios #TBTs. Sem presente ou futuro, Cássio é lembrança de um passado de desprezo ao povo da Paraíba ( não tem uma obra em João Pessoa) e aos próprios amigos. A História e as urnas já o julgaram…

Comente