Caso Padre Zé: STJ mantém prisão de padre Egídio, acusado de desvios milionários

Decisão foi do relator do habeas corpus, o ministro Teodoro Silva Santos, após a defesa do religioso entrar com novo pedido de liberdade

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a prisão de padre Egídio de Carvalho Neto, ex-diretor do Hospital Padre Zé, em João Pessoa. A decisão foi do relator do habeas corpus, o ministro Teodoro Silva Santos, após a defesa do religioso entrar com novo pedido de liberdade.

Padre Egídio está preso desde novembro de 2023 por suspeita de desvios milionários em recursos da unidade de saúde.

“Não concedida a medida liminar de EGIDIO DE CARVALHO NETO (PRESO), determinada requisição de informações e, após, vista ao Ministério Público Federal”, diz a decisão.

O líder religioso foi preso no último dia 17 de novembro e segue na Penitenciária Especial do Valentina de Figueiredo, em João Pessoa. Desde então, o sacerdote tem tentado através da sua defesa sair do regime fechado.

No último dia 30 de janeiro, a Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) manteve a prisão preventiva de padre Egídio de Carvalho Neto.

O sacerdote está sendo investigado pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB), no âmbito da Operação Indignus.