Caso Miguel: veja o que mãe e madrasta condenadas a mais de 50 anos disseram

Yasmin, a mãe de Miguel, foi condenada a 57 anos, 1 mês e 10 dias de prisão pelos três crimes

Foto: Juliano Verardi – DICOM/TJRS

O julgamento de Yasmin Vaz dos Santos Rodrigues e Bruna Nathiele Porto da Rosa, condenadas por tortura, homicídio e ocultação de cadáver de Miguel dos Santos Rodrigues, de 7 anos, durou dois dias, com sessões realizadas na quinta-feira (4) e na sexta (5), no Salão do Júri do Foro da Comarca de Tramandaí, no Litoral Norte do RS.

A sentença foi lida pelo juiz de direito Gilberto Pinto Fontoura. Yasmin, a mãe de Miguel, foi condenada a 57 anos, 1 mês e 10 dias de prisão pelos três crimes. Já Bruna, a madrasta, foi condenada a 51 anos, 1 mês e 20 dias de prisão pelos três crimes.

As rés permanecem presas, mas podem recorrer da decisão.

O crime ocorreu em 2021 na cidade de Imbé, quando a criança foi assassinada, segundo a acusação, porque atrapalharia o relacionamento entre a mãe, Yasmin, e a companheira dela à época, Bruna Nathiele.

O corpo de Miguel teria sido colocado dentro de uma mala e jogado em um rio de Imbé, na cidade onde a família morava, e nunca foi encontrado.

Veja a seguir as principais frases ditas pela mãe e pela madrasta durante o Tribunal do Júri.

“Eu vi a Bruna embaixo da mesa sentada tipo em posição fetal. Eu olhei pra ela e eu perguntei: ‘cadê o Miguel?’ Eu saí correndo para dentro do quarto do banheiro. Eu vi o Miguel deitado. Ele tava todo gelado, todo roxo. Eu mostrei para ela e eu perguntei o que tinha acontecido e ela falou que ele estava morto. O Miguel estava roxo e duro. Como que eu ia ir pra algum lugar e dizer que eu não matei, que eu só dei fluoxetina pro meu filho e que ele morreu com fluoxetina, que era um remédio que ele nunca tinha tomado?”, declarou Yasmin Vaz dos Santos Rodrigues, mãe de Miguel.

“Eu tenho a ver com a tortura e a ocultação, a morte não”, disse Bruna Nathiele Porto da Rosa, ex-companheira de Yasmin e madrasta do menino.

“Então, eu peguei ele no colo. Ele não estava vestido adequado, estava frio. Eu vesti um casaco bem quentinho, botei uma calça quente. Ela levantou e veio com a mala e falou que a gente tinha que a gente tinha que fazer alguma coisa… Ele estava quentinho. Ele estava um agasalhado. Aí eu peguei e botei. Eu botei ele lá. Eu botei ele e levei até o rio”, disse, chorando, Yasmin.

“Eu sou responsável pela tortura psicológica. Que foi o vídeo que eu fiz, porque eu peguei no psicológico dele. Então a minha culpa eu não posso tirar. Então eu me culpo por isso”, relata Bruna no Tribunal do Júri.

“Eu fui mãe do Miguel até conhecer a Bruna. Depois eu fui só uma genitora”, Yasmin no depoimento.

“Eu sou um monstro. Na verdade, eu sou muito monstro. Porque, se eu estou aqui hoje, é porque eu errei pra caramba. Se eu tô aqui, tá todo mundo aqui, é porque eu fui péssima como mãe, como ser humano. Mas eu jamais imaginei que que ela pudesse fazer isso”, disse a mãe de Miguel.

Do g1