- Publicidade -
ColunasPolítica

Cartaxo comemora apoio da elite ao projeto que irá enxotar famílias do Porto do Capim

Para os pobres moradores do local, parafraseando um senador da República, que se explodam!

Pouco mais de duas semanas após anunciar o despejo de 160 famílias do Porto do Capim, as arrancando do seio social, afetivo, laborativo e destruindo raízes que estão sendo cultivadas há mais 70 anos, o prefeito Luciano Cartaxo (PV) não esteve aberto em nenhum momento ao diálogo com os moradores do local e finge solenemente que nada está acontecendo, que não existem tensões, movimentos se insurgindo contra a condução da PMJP, vereadores tentando evitar uma catástrofe social.

- Continua depois da publicidade -

A sessão especial que ocorreu na Câmara Municipal de João Pessoa semana passada, que seria o primeiro canal de diálogo entre PMJP, Legislativo municipal e população, terminou em uma confusão protagonizada pelos auxiliares da prefeitura, que se retiraram do local desrespeitando completamente os moradores do Porto do Capim que lá estavam para apresentar suas demandas, os vereadores, em especial Tibério Limeira que presidia a sessão, e a população de maneira geral que, indubitavelmente, está do lado da população ribeirinha ameçada de extinção.

Em um cenário como estes, não vou nem citar a triste constatação de que um prefeito possa ser tão cruel com a população de sua cidade – qualidade de vida não era um do slogan da gestão cartaxista?. Também não vou mencionar as várias propostas que foram apresentadas por grupos que permitiriam a coexistência dos ribeirinhos com o projeto de parque proposto pela PMJP.

Qual é o nível de falta de noção da gestão, em lançar nessa segunda-feira (8) uma nota fria, sem vida, anunciando que “várias entidades” [você lerá abaixo quais são] estão apoiando o projeto. Era, sim, melhor ficar calado, como já estava até antes de hoje.

Mas o que dá horror, calafrios, desânimo com a política no Brasil, mas infelizmente não surpreende mais, principalmente em João Pessoa, que segue um modelo higienista de organização social, é saber que as entidades que saíram em defesa do projeto que irá enxotar uma comunidade tradicional são: Sindicato da Indústria da Construção Civil de João Pessoa (Sinduscon-JP), Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e Associação Comercial.

É isto mesmo. A cara de pau é tão grande que eles nem escondem mais que o governo está preocupado em atender o interesse dos ricos. A população tradicional, humilde e já enraizada no nascedouro da cidade? Parafraseando um senador filho de presidente da República: que se exploda.

Comente

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar