Brasil ultrapassa 23 mil mortes por coronavírus e atinge 374.898 casos

Boletim diário divulgado nesta tarde, aponta um total de 11.687 casos confirmados entre ontem e hoje

O Ministério da Saúde registrou hoje 23.473 mortes em decorrência do novo coronavírus — 807 delas computadas nas últimas 24 horas. O boletim diário da pasta, divulgado nesta tarde, aponta um total de 374.898 infectados pela doença no país, sendo 11.687 casos confirmados entre ontem e hoje.

Ainda segundo o ministério, 197.592 casos seguem em acompanhamento. Cerca de 153.833 pacientes já se recuperaram da doença.

Semana negativa

Na semana passada, o Brasil atingiu marcos negativos com o aumento de notificações de covid. Na terça-feira, o país registrou pela primeira vez mais de mil mortes pelo novo coronavírus em intervalo de 24 horas.

Em menos de um mês, o país passou de 100 mil diagnósticos para mais de 300 mil infectados pela doença, com aceleração do aumento de casos confirmados nas últimas duas semanas: só entre 14/05 e 21/05, foram mais de 100 mil novos casos registrados pelo Ministério da Saúde.

Um em cada três pacientes graves sobrevive

Somente um em cada três pacientes graves de covid-19 que são entubados nas UTIs brasileiras se recupera e consegue voltar para casa, aponta um estudo da Amib (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) e do Epimed — uma ferramenta de análise de dados e desempenho hospitalar.

A mortalidade dos pacientes em UTIs é de 66%, número muito acima de casos em outros países. De acordo com especialistas, o percentual reflete as precariedades do sistema de saúde brasileiro e, eventualmente, o uso indiscriminado de medicamentos sem benefícios comprovados cientificamente, como a cloroquina.

Casos não necessariamente ocorreram no último dia

Os diagnósticos e óbitos confirmados pelo governo entre um dia e outro não necessariamente ocorreram de ontem para hoje. O Ministério da Saúde explica que há atrasos de até dois meses nos registros feitos pelas secretarias, provocados pela fila de testes, e que as confirmações podem refletir ocorrências desde o início da pandemia.

Do Uol.

 

 

Comente