Brasil impõe virada épica e bate Argentina no vôlei masculino nas Olimpíadas

Quando a volta por cima parecia improvável, a virada. Em uma noite em que tudo parecia dar errado, o Brasil soube ressurgir em meio aos erros. Na marra e no talento, a seleção brasileira ignorou qualquer distância no placar para conseguir uma virada heroica no clássico contra a Argentina. Em 3 sets a 2, parciais 19/25, 21/25, 25/16, 25/20 e 16/14, os campeões olímpicos mostraram força rumo à segunda vitória nas Olimpíadas de Tóquio.

A vitória evita um drama antecipado e dá certo conforto na reta final da fase de classificação. No grupo mais difícil em Tóquio, o Brasil ainda encara três favoritos ao pódio em busca de uma vaga nas quartas de final. Na próxima quarta-feira, enfrenta a Rússia. Depois, em sequência, pega Estados Unidos e França. Os quatro melhores de cada chave avançam.

Como fica?

A vitória mantém o Brasil na parte de cima da classificação do grupo B, ao lado da Rússia, também com dois triunfos. A seleção de Renan Dal Zotto, porém, leva desvantagem no número de pontos: 6 contra 5. Abaixo, França e Estados Unidos somam uma vitória cada. Argentina e Tunísia seguem zeradas.

Próximo jogo

A seleção volta à quadra na próxima quarta-feira, às 9h45. Vai encarar os russos, líderes do grupo. A TV Globo e o SporTV transmitem a partida ao vivo, e o ge acompanha tudo em tempo real.

1° set: Argentina se impõe e larga na frente

Um saque de Conte na rede, uma diagonal de Wallace. Logo de cara, o Brasil abriu 2 a 0 na conta. A resposta do outro lado, porém, foi rápida. A Argentina logo virou o placar e marcou 6/3. Renan não quis esperar. Pediu tempo e tentou arrumar a casa. Conseguiu. O Brasil voltou a reagir e tomou a frente. Um bloqueio de Lucão sobre Solé fez com que a seleção abrisse 11/9.

Nenhuma vantagem àquela altura, porém, durava muito. A Argentina foi buscar mais uma vez. E, dessa vez, para não abrir mais espaço para qualquer reação do Brasil. Pelas mãos de Bruno Lima, os Hermanos tomaram a frente e passaram a dominar o jogo. Renan tentou mudar ao colocar Maurício Souza no lugar de Isac. Não deu certo. Com muitos erros na reta final, o Brasil caiu por 25/19.

2° set – Brasil se perde em erros, e Argentina amplia

Na volta à quadra, pouco mudou. A Argentina seguiu melhor. Com uma defesa forte e um ataque eficiente, os rivais abriram 9/6 na contagem. Renan, então, parou o jogo. Na tentativa de melhorar o passe da equipe, sacou Leal e mandou Douglas Souza à quadra. Funcionou. O Brasil melhorou à medida que Lucarelli também passou a ser mais acionado. Aos poucos, a seleção encostou no placar. Em um bloqueio do ponteiro, reduziu a diferença para apenas um ponto 13/14.

Brasil x Argentina no vôlei de quadra — Foto: Yuri Cortez / AFP

Brasil x Argentina no vôlei de quadra — Foto: Yuri Cortez / AFP

O jogo, porém, seguiu tenso. A Argentina se manteve forte, principalmente na defesa. O Brasil, por sua vez, ainda que tivesse melhorado, cometia erros. Faltava intensidade. Mais uma vez, a equipe de Renan viu os rivais abrirem: 21/17. Bruninho deu lugar a Cachopa, e Lucarelli saiu para a entrada de Maurício Borges. Não funcionou. Solé, com mais uma pancada, fechou a conta: 25/21

3° set – Brasil, enfim, reage

Ao Brasil, só restava a reação, mesmo que fosse na marra. Renan voltou à quadra com Leal, mas manteve Cachopa no lugar de Bruninho. A mudança, dessa vez, funcionou. O ponteiro, enfim, despertou no ataque e passou a comandar o time. A seleção pulou na dianteira e abriu 5/1 até com certa tranquilidade. Do outro lado, foi a vez de Marcelo Méndez se preocupar. O técnico argentino, porém, viu seu time perder em intensidade e ceder espaço para a reação brasileira.

A seleção de Renan conseguiu manter o mesmo ritmo. Em seu melhor momento, abriu 18/11 no placar. A pressão mudou de lado, e a Argentina passou a ceder pontos de graça para o time brasileiro. Cachopa, muito bem na parcial, deu outra dinâmica ao time. Foi dele, inclusive, o último ponto do set, que manteve o Brasil vivo na partida: 25/16.

Do G1.