Brasil é o país mais propenso a sofrer vazamentos de dados no mundo

Principal causa citada para isso é a perda ou o roubo de equipamentos, seguida por ataques à rede, vulnerabilidades dos dispositivos móveis e e-mails enviados para remetentes errados

João Pessoa sedia nesta terça fórum sobre segurança de dados na internet
Foto: Ilustração

Segundo o Instituto Ponemon, 63% das pequenas e médias empresas sofreram algum incidente com vazamento de dados em 2019. A principal causa citada para isso é a perda ou o roubo de equipamentos, seguida por ataques à rede, vulnerabilidades dos dispositivos móveis e e-mails enviados para remetentes errados. Outra constatação alarmante é que, na maioria dos casos (52%), os dados comprometidos envolviam informações dos clientes.

A pesquisa mostra também que o Brasil é o país mais propenso a sofrer violações de segurança: o risco é de 43% em uma empresa brasileira sofrer um ataque, muito acima de países com cultura de segurança cibernética, como Alemanha (com 14%) e Austrália (17%). Segundo Isaac Ferreira, superintendente de Engenharia de Produtos da Tecnobank, esse tipo de ataque tem como alvo pequenas e médias companhias por conta da menor quantidade de investimento em segurança da informação.

“Não são as empresas multimilionárias os alvos favoritos dos hackers. Geralmente, as menores têm orçamento mais enxuto para direcionar à segurança cibernética e, por isso, são os alvos favoritos”, explica. Em pesquisa realizada pelo National Cyber Security Alliance, 25% das pequenas empresas declaram falência após um ataque cibernético desse tipo.

O especialista explica que as violações de segurança às pequenas e médias empresas acabam sendo facilitadas por dispositivos inseguros e não monitorados, especialmente notebooks; senhas fracas; compartilhamento de informações de terceiros e comportamento negligente dos colaboradores. Para ajudar pequenas e médias empresas a melhorarem a segurança digital e evitar vazamentos de dados, o gerente de Infraestrutura da Tecnobank, Paulo Cury, sugere algumas ações.

Treinamento

O treinamento da equipe é essencial para fazer com que os riscos de ataque sejam menores. “Orientações sobre links de phishing, spams e outras ciberameaças podem ser a diferença entre ter os dados vazados ou não”, sugere Cury.

Plano de ações

Outro fator importante é a necessidade de um plano de ações para a empresa, especialmente se tratando de vazamento de dados. Isso faz com que departamentos diferentes, como o marketing, o RH e outros, possam ajudar a diminuir os estragos e até auxiliar os responsáveis pela TI, mitigando custos e diminuindo danos.

Investimento em cibersegurança

O grande diferencial em ser uma empresa que sofreu um vazamento de dados ou não pode ser o investimento na segurança digital. O estudo do Instituto Ponemon mostra que, em 2019, as pequenas e médias empresas brasileiras destinaram em média US$ 1,2 milhão para reparar e restaurar a infraestrutura e ativos de TI após ataques, gastando mais US$ 1,9 milhão relacionados às perturbações nas operações regulares. “Ou seja, é mais barato prevenir um ataque que arcar com seus custos”, pondera Cury.

Do TecMundo

Comente