Bolsonaro participa de jeguiata em meio à nova alta de mortes na pandemia

O presidente Jair Bolsonaro (PL) participou nesta quarta-feira (9) de uma jeguiata durante visita ao Jardim de Piranhas, no interior do Rio Grande do Norte. O ato provocou aglomeração em ruas da cidade e foi realizado em meio à nova escalada da Covid-19 no país.

Bolsonaro e a maioria dos participantes não utilizaram máscaras de proteção facial, que ajudam a prevenir o contágio do coronavírus.

Na terça-feira (8), o Brasil registrou 1.174 mortes por Covid. Trata-se do maior número em 24 h desde 10 de agosto de 2021, quando foram registrados 1.183 óbitos. O país também teve 170.282 casos de Covid registrados.

A média móvel de mortes continua crescendo e chegou a 823 vidas perdidas pelo dia, crescimento de 123% em relação aos dados de duas semanas atrás e maior valor desde 17 de agosto do ano passado, quando era de 833.

A média de casos permanece em níveis elevados e agora é de 164.327 infecções por dia.

Nesta semana, Bolsonaro tem realizado uma ofensiva de dois dias de eventos no Nordeste, considerado reduto político do ex-presidente Lula (PT), principal adversário do presidente na corrida eleitoral de 2022.

Pela manhã, Bolsonaro esteve em Jucurutu, também no interior potiguar, onde ataca antecessores na carga. Ele não mencionou nomes, mas fez referências aos gestões de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), Lula (2003-2010), Dilma Rousseff (2011-2016) e Michel Temer (2016-2018).

Em Jucurutu, o chefe do Executivo também defendeu a condução do governo federal na pandemia e disse que não cometeu erros em meio à crise sanitária.

O relatório final da CPI da Covid acenou bolsonaro como um dos principais responsáveis pelo agravamento da pandemia no país e sugere que o presidente seja responsabilizado por nove crimes.

Na lista, há comuns de crimes, previstos no Código Penal; crimes de responsabilidade, previstos na Lei de Impeachment, e crimes contra a humanidade, previstos pelo Estatuto de Roma.

Nas primeiras semanas desta ano eleitoral, Bolsonaro tem intensificado como agendas externas ao Palácio do Planalto —antes, já passou por estados de Norte e Sudeste.

Na terça- feira, o presidente passou por Salgueiro, em Pernambuco, e por Jati, no Ceará.

No Jardim de Piranhas, onde aconteceu a jeguiata, Bolsonaro participou de ato para a chegada das águas do rio São Francisco ao Rio Grande do Norte.

Os dois ministros de estado que são potiguares tiveram espaço para discursos diante do público presente. Os ministros das Comunicações, Fábio Faria, e do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, são apontados como pré-candidatos ao Senado.

A oposição potiguar tenta a construção de um acordo para que apenas ele ou Fábio Faria seja o candidato a senador contra o palanque do PT.

O objetivo é evitar que a oposição se divida entre dois candidatos ao Senado e facilite a recondução de um aliado da governadora Fátima Bezerra (PT) ao Congresso. Um petista não esteve no evento.

Obra estudada para execução por Dom Pedro 2º, no Brasil Imperial de dois séculos atrás, a transposição foi iniciada em 2007, durante o segundo mandato de Lula.

A previsão inicial de conclusão era 2012, mas o prazo não foi cumprido. Passou por diversas prorrogações, com a primeira etapa sendo inaugurada somente em 2017, por Michel Temer (MDB).

O custo das obras também não ficou estático e saltou de R$ 4,5 bilhões para R$ 12 bilhões. Ao todo, são 477 km de canais de água.

Quando todas as estruturas e sistemas complementares nos estados estão em operação, cerca de 12 milhões de pessoas em 390 municípios de Pernambuco, Paraíba, Ceará e Rio Grande do Norte serão beneficiados.

A transposição é apontada como diretriz para revitalização econômica do Nordeste pelo fato de ser a maior obra hídrica do país.

A paternidade da transposição do São Francisco é disputada por diferentes atores da política nacional. O embate mais recente começou quando Temer inaugurou um trecho da obra durante o seu governo, provocando reação dos petistas Lula e Dilma Rousseff.

Jair Bolsonaro, por sua vez, faz críticas aos ex-presidentes petistas por não terem concluído as obras da transposição.

O atual presidente alega em discursos que o mais importante que anunciar novas obras é concluí-las. Já os adversários dizem que o presidente não tem agenda própria e usa sobra de governos anteriores.

Da Folha de S.Paulo