Belo fecha o 1º turno da Série C com a pior campanha no formato atual

Em crise política e ameaçado pelo rebaixamento, o Botafogo tem lutado para se manter na Terceirona

Foi finalizada no fim de semana a primeira parte da Série C do Campeonato Brasileiro para o Botafogo-PB. E da maneira mais melancólica possível. Perdendo o Clássico Tradição para o Treze, em Campina Grande, por 2 a 0, e apresentando um futebol pífio e pobre. Essa já é a pior campanha do Belo na primeira perna da competição, no formato atual, desde que voltou à Terceirona, em 2014.

Até aqui, o Belo só fez oito pontos nos nove primeiros compromissos pela Série C. Venceu apenas um jogo, contra o Imperatriz, no interior do Maranhão. Mas o Cavalo de Aço é um time que, em sete jogos disputados, só fez um ponto. Perdeu todas as outras partidas.

Além da única vitória, o Botafogo-PB empatou cinco vezes e perdeu três jogos. O último, o clássico para o Treze, no Amigão, por 2 a 0. Situação que preocupa bastante o clube, visto que nesta quinta-feira o Galo joga uma partida atrasada, da primeira rodada, contra o Imperatriz, em Campina Grande. Se o time da casa empatar ou vencer, o Botafogo-PB termina a primeira parte do campeonato na zona de rebaixamento, o que nunca ocorreu na história.

Campanha do Botafogo-PB nos nove primeiros jogos da Série C no formato atual

Edição Pontos nos nove primeiros jogos Posição
2014 14 pontos 3º lugar
2015 12 pontos 7º lugar
2016 15 pontos 2º lugar
2017 14 pontos 4º lugar
2018 12 pontos 5º lugar
2019 15 pontos 3º lugar
2020 8 pontos 8º lugar

Time não engrenou em nenhum momento

O fato é que, em campo, o Botafogo-PB sempre foi um time frágil, com volume de jogo em raros duelos neste ano na temporada. Puxando pela memória, dá para lembrar um bom jogo contra o Ceará, na Copa do Nordeste, quando, sob o comando ainda de Evaristo Piza, empatou por 2 a 2 fora de casa, e uma goleada por 4 a 1 frente ao Nacional de Patos, já sob o comando do interino Warley, no estadual.

Com Piza no comando, o time não entregou performance. Mas é bem verdade que, em termos de resultados, a equipe estava bem. O técnico paulista caiu do emprego com o time ainda no G-4 da Copa do Nordeste. Alguns tropeços no Paraibano e pressão interna de diretores, somados a jogos tecnicamente frágeis, no entanto, acabaram levando a diretoria a decidir interromper o trabalho do técnico.

Vieram Mauro Fernandes e Rogério Zimmermann depois. O primeiro não conseguiu levar o Botafogo-PB à final do Campeonato Paraibano, caindo para o Treze na semifinal. Demitido, deu lugar a Zimmermann, que chegou na segunda rodada da Série C.

A verdade é que o treinador atual conseguiu fazer o time evoluir um pouco. A equipe passou a competir os jogos na Série C. Tanto que empatou bastante. Mas falta o time competir o campeonato. O Belo precisa de vitórias e, em oito jogos sob o comando do gaúcho, o Botafogo-PB só venceu o lanterna do Grupo A, que ainda não venceu ninguém e só tem um ponto.

Rogério Zimmermann chegou na segunda rodada da Série C e só conseguiu vencer uma partida — Foto: Nádya Araújo / Botafogo-PB

Rogério Zimmermann chegou na segunda rodada da Série C e só conseguiu vencer uma partida — Foto: Nádya Araújo / Botafogo-PB

Crise política nos bastidores

Não é possível comprovar que a instabilidade política, iniciada no fim de 2019, influencia nas quatro linhas, mas é natural se supor que atrapalha. Afinal, não parece que o elenco, embora frágil e cheio de problemas desde o início do ano – alguns construídos mais recentemente -, seja um dos piores do torneio no papel.

O fato que é mais comum times irem mal quando o bastidor político da instituição está fervendo do que o contrário. E a diretoria atual, ao passo que precisa resolver questões do departamento de futebol e reforçar um elenco que carece de novas peças para poder se tornar mais competitivo e, assim, tentar se salvar da queda, tem também que agir politicamente para se manter no poder.

Alexandre Cavalcanti (à esquerda) e Orlando Soares devem disputar a eleição em outubro; oposição e situação vêm trocando acusações há algum tempo — Foto: Arte / ge

Alexandre Cavalcanti (à esquerda) e Orlando Soares devem disputar a eleição em outubro; oposição e situação vêm trocando acusações há algum tempo — Foto: Arte / ge

Nas últimas semanas, o grupo que comanda o clube vem precisando também explicar denúncias da oposição, que acusa a cúpula do Belo de fazer uma gestão temerária, além ainda de supostamente tentar distorcer o processo eleitoral, que acontece neste mês.

A eleição parece aberta, e é difícil fazer previsões sobre a disputa de poder do Botafogo-PB. Previsível mesmo é que o clube, após muitos erros no departamento de futebol na temporada, vai mesmo lutar para não cair nesta Série C. O novo presidente ou o presidente reeleito nas eleições só vai ter seis rodadas para salvar o time. A dúvida é se dará tempo.

Do Globo Esporte Paraíba.