Banda Esquadros toca hits de Los Hermanos nesta sexta, em João Pessoa

Um grupo de amigos que se reuniam para tomar cerveja, conversar e tocar músicas de Los Hermanos. Foi nessa despretensão que surgiu a banda Esquadros e há 13 anos assumiu a responsabilidade de homenagear Los Hermanos e acalentar fãs saudosos ao relembrar seus grandes sucessos. A banda recifense Esquadros volta a João Pessoa pela quinta vez e se apresenta nesta sexta-feira (29), na Vila do Porto, a partir das 22h30.

A expectativa para o show é grande. O vocalista Pedro Jesus relembra que é sempre bom tocar em João Pessoa porque a energia do público é contagiante. “Galera curte Los Hermanos e vibra com a Esquadros. Teremos música surpresa no repertório, camisas e adesivos para de repente fazer um sorteio. Convidamos todos para cantar as músicas dos barbudos junto com a gente”, convidou.

Apesar do amor e relacionamentos mal resolvidos serem o eixo principal das músicas, o mais interessante é que Los Hermanos aborda o tema de maneira original e com profundidade, fugindo dos clichês de composições comuns. Os integrantes afirmam ser um desafio representá-los porque Los Hermanos é um grupo musical singular.

“É uma banda ímpar em suas harmonias e tem um modo particular de fazer o som. A gente tenta fidelizar ao máximo, porque a Esquadros não é uma banda intérprete, de fato é um cover mesmo, então, se torna um desafio sim”, disse Allysson Rocha, tecladista da banda. Além dele e de Pedro Jesus, fazem parte da banda Esquadros, Ivo Lage (bateria), Gildo Neto (guitarra), Jefferson (trompete), Jullian Felipe (baixo), Anderson Galindo (sax).

Ao serem questionados quais as músicas mais pedidas pelos fãs, o tecladista Allysson Rocha responde convicto: ‘Flor’, ‘Retrato para Iaiá’, ‘Vencedor, ‘Além do que se vê’ e ‘Último romance’. No entanto, explica que como o público é muito fiel à banda, sabe o repertório decorado o que torna o show ainda mais emocionante. “Como todas as músicas são muito boas é sempre difícil selecionar o repertório, mas existem aquelas que são indispensáveis”, disse O tecladista explica que os shows são muito descontraídos e relembra que até pedido de casamento, noivado e namoro a banda já teve a honra de presenciar.

“Acho que foi o mais inusitado que presenciamos e ficamos felizes pelo público confiar na gente para deixar esse momento ainda mais bonito. Acredito que qualquer tempo desses seremos padrinhos de casamento”, brincou.

A banda carioca Los Hermanos se caracteriza como um rock nacional que permeia várias fases e inspirações. O primeiro álbum (1999) faz referência ao hardcore e Ska, com metais bem agressivos que revelam as primeiras influências musicais. O Bloco do Eu Sozinho (2001) representa uma fase experimental com referências ao samba e bossa nova. Já o terceiro álbum Ventura (2003) é uma composição multifacetada que reflete à originalidade da banda: arranjos de sopro, vocais roucos e arrastados, além da riqueza nas composições.

O último álbum 4 (2005) é mais intimista e melancólico e, dá uma pista dos novos caminhos a serem trilhados pelos componentes em seus projetos individuais. Apesar de tentarmos enquadrar ou definir Los Hermanos, o grande legado do grupo foi ter criado seu próprio canto que atravessa gerações e representa uma parte de nossa vida em música. Todo mundo tem alguma história para contar com alguma música de Los Hermanos, seja um romance, desilusão amorosa ou até resiliência. Afinal, se é para sofrer de amor que seja com estilo e na profundidade que essa banda nos permite compreender o que sentimos. As informações são do Jornal A União.

Comente