Banco Central faz novo corte na taxa básica de juros; Selic cai de 13,25% para 12,75%

Edifício-Sede do Banco Central em Brasília

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu, nesta quarta-feira (20), reduzir a taxa Selic de 13,25% ao ano para 12,75% ao ano. A decisão foi unânime. Todos os diretores votaram pela redução.

No comunicado divulgado após a reunião, o comitê argumentou que a redução da taxa é “compatível com a estratégia de convergência da inflação para o redor da meta ao longo do horizonte relevante, que inclui o ano de 2024 e, em grau menor, o de 2025”.

O Copom voltou a defender que o cenário demanda “serenidade”, mas já sinalizou que poderá cortar novamente a Selic em 0,5 ponto percentual no próximo encontro.

“Em se confirmando o cenário esperado [de desinflação e ancoragem das expectativas em torno da meta de inflação], os membros do Comitê, unanimemente, anteveem redução de mesma magnitude nas próximas reuniões e avaliam que esse é o ritmo apropriado para manter a política monetária contracionista necessária para o processo desinflacionário”, afirmou o Copom em nota.

Na avaliação do colegiado, a execução das metas fiscais estabelecidas pelo governo federal pode contribuir para o processo de ancoragem das expectativas da inflação e para a condução da política monetária.

Este foi o segundo corte seguido na taxa básica de juros, que começou a recuar em agosto deste ano. Em 12,75%, a taxa chegou ao menor patamar dos últimos 16 meses.

A redução anunciada nesta quarta já era esperada pelo mercado financeiro. Isso porque no comunicado da última reunião, o Copom sinalizou que poderia continuar reduzindo a Selic na “mesma magnitude” do corte adotado em agosto. Ou seja, de 0,5 ponto percentual.

Reuniões do Copom

O Copom é formado pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e por oito diretores da autarquia – dois deles indicados pelo presidente Lula.

O colegiado costuma se reunir a cada 45 dias para definir o patamar da taxa Selic. Neste ano, o comitê ainda deverá se reunir duas vezes:

  • em 31 de outubro e 1º de novembro
  • em 12 e 13 de dezembro. Do g1.